Economia

Zonas Francas estimulam crescimento económico

Hélder Jeremias

Jornalista

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Angola, Vicente Soares, encorajou, em Luanda, maior intervenção das diferentes câmaras na promoção de iniciativas que reflictam o aumento das trocas comerciais.

15/09/2022  Última atualização 07H35
© Fotografia por: DR

Ao discursar na acção formativa promovida pela Câmara Internacional de Negócios Angola-Canadá, o responsável frisou que o aumento da produtividade exige planificação, gestão eficiente das cadeias de distribuição, logística e informação.

O gestor assegurou que para o país acelerar o crescimento, as Zonas Francas jogam um papel importante no estímulo das trocas comerciais, criando novas empresas e indústrias, o que vai contribuir para a arrecadação de receitas para os Estados, através de tarifas alfandegárias diferenciadas e competitivas. A actividade empresarial, na óptica de Vicente Soares, requer negociação permanente com os fornecedores, parceiros, trabalhadores, clientes, banca, Governo, entre outros.

Para ele, a entrada na Zona de Livre Comércio Continental exige que "sejamos competitivos para podermos crescer e desenvolver”.

"Está nas nossas mãos o desafio de melhorar o desempenho das empresas nacionais e a economia do país, passando para outras fases de crescimento e desenvolvimento”, avançou.

Promover o comércio

Vicente Soares encoraja as câmaras comerciais a enveredarem por iniciativas que visam auxiliar o Executivo a criar bases para o desenvolvimento económico, tendo afirmado que é para este fim que são criadas as câmaras e associações empresariais e sectoriais, enquanto a função da Câmara de Comércio e Indústria de Angola é de promover o comércio entre as regiões, países, facto que implica que as pessoas que estão nos processos de negociação e atracção de investimento saibam o que estão a fazer, o que passa pela formação.

O objectivo da Zona Franca, sustentou, é criar condições de disponibilidade de matéria- prima, de insumos que poderão ajudar as empresas dentro da própria Zona Franca. "Precisamos de empresas e novas indústrias, algo que só poderá funcionar se tivermos dentro desta zona, para além da produção, a importação de produtos que estão isentas daquelas tarifas aduaneiras normais”.

"As Zonas Francas, preferencialmente, estão mais próximas dos portos, ou seja, no litoral, de modo a facilitar a entrada de mercadorias e nós temos um litoral extenso, para além de Luanda, temos o Namibe, onde existe um grande porto, Benguela, onde temos o Porto do Lobito, assim como Cabinda que são áreas onde a possibilidade de se criar Zonas Francas é melhor que nas outras”, disse o gestor.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia