Reportagem

Venceu o vício e hoje ajuda outros a se livrarem do alcoolismo

Ana Paulo

Jornalista

No Dia Internacional da Mulher, que hoje se assinala, o Jornal de Angola conta a história de Isaura Epanda, uma mulher vencedora, que, aos 12 anos, quando frequentava a 5ª classe, teve o primeiro contacto com bebidas alcoólicas. Durante os 19 anos que viveu dependente do álcool, viu morrer seis dos sete filhos que gerou. Recuperada do vício, há 25 anos, escreveu um livro intitulado “Memórias de uma alcoólatra”, onde conta a sua experiência e criou, há duas décadas, a Associação Luz do Renascer, uma Organização Não Governamental (ONG), que se dedica à luta contra o alcoolismo

08/03/2022  Última atualização 09H40
© Fotografia por: Agostinho Narciso |Edições Novembro

Perdida no vício, Isaura Epanda foi rejeitada pelo único filho e abandonada pelos familiares e amigos. "Perder os meus seis filhos, ser rejeitada pelo que estava vivo e abandonada foi a pior coisa que aconteceu na minha vida”, admitiu, acrescentando que o "alcoolismo é uma doença que destrói a vida de quem consome e das pessoas ao redor”.  

As coisas estavam cada vez mais complicadas, Isaura Epanda tinha perdido a noção da vida e ficado com o corpo irreconhecível. A caminho do abismo, num último esforço para salvar-se, ela apelou à ajuda de amigos de infância que não lhe viraram as costas. "Ouviram o meu grito de socorro, estenderam-me as mãos e salvaram-me do abismo. Não vou citar nomes, mas eles sabem o quão importante são para mim”, reconheceu.

"Graças a Deus, saí dessa vida, consegui recuperar o amor do meu filho e somos grandes amigos. Acompanho o crescimento dos meus netos”, disse.

Curada do vício, há 25 anos, Isaura Epanda criou, há duas décadas, a Associação Luz do Renascer, uma Organização Não Governamental (ONG), que se dedica à luta contra o alcoolismo.

Sem sede própria, Isaura Epanda tem realizado o trabalho de sensibilização e aconselhamento em sua casa e ao domicílio. Moradora no bairro Cassenda, numa zona denominada "Areia Preta”, Isaura Epanda conseguiu sensibilizar os jovens de uma gang denominada "Os Priva”, constituída por 20 elementos, que hoje apoiam a Associação Luz do Renascer a sensibilizar outros jovens vítimas desse vício, que tem atormentado muitos pais e encarregados de educação.

"Temos falado sobre o perigo das drogas ilícitas e lícitas, como o álcool, e eles participam em campanhas de limpeza, sensibilização sobre a Covid-19, o que fez com que o nível de delinquência na comunidade diminuísse significativamente”, regozija-se.

Isaura Epanda disse ter perdido muitas amigas que, devido ao abuso de bebidas alcoólicas, foram violadas e mortas. "Aconselho as pessoas a distanciarem-se  do álcool, porque hoje a sociedade é diferente da anterior, por existir muito mais violência”, disse, lacrimejando, ao lembrar-se da amiga que encontrou morta ao seu lado, enquanto dormiam na rua, num papelão, depois de uma bebedeira.  

Em 2015, esteve na Itália para uma formação sobre alcoologia, patrocinada pela Fundação Eduardo dos Santos (FESA). Ao regressar ao país, após concluir a formação, tinha o objectivo de criar algumas  salas de aconselhamento nos hospitais públicos, tendo conseguido apenas uma no Hospital do Cassequel. "Por falta de patrocínios suspendemos esse projecto até hoje”, lamentou.

Literatura

"Memórias de uma alcoólatra” é o título do primeiro livro de Isaura Epanda, onde conta a  experiência com as bebidas alcoólicas. Além disso, também faz banda desenhada sobre alcoolismo.

Como autora, a presidente da Associação Luz do Renascer realiza palestras em várias instituições do Estado, como a Polícia Nacional e as Forças Armadas Angolanas (FAA).

A nível das províncias, realizou palestras na Huíla, direccionadas aos efectivos da Força Aérea Nacional, no Bié, para os efectivos do Exército e da Polícia Nacional, e em Luanda, para agentes do Serviço de Migração e Estrangeiros.

Projectos

Em Abril, a Associação Luz do Renascer prevê lançar o "Movimento ajuda a Governar”, virado para o resgate dos valores éticos e morais, cidadania e patriotismo, através da música e da literatura. Está previsto também o lançamento de um livro infanto-juvenil, sobre o mesmo tema.

Isaura Epanda pretende, ainda este ano, construir a sede da Associação Luz do Renascer. Além disso, será erguido, igualmente, um centro de recuperação de dependentes de álcool na província da Huíla, numa área de dez hectares, cedida pelo Governo local.

"Tudo isso só será possível com apoio financeiro. Já fiz vários pedidos e até agora ainda não houve resposta, mas continuo a aguardar, porque o país precisa de instituições do género”, concluiu.

Degradação da sociedade

Isaura Epanda considera que o número, cada vez maior, de mulheres dependentes de bebidas alcoólicas está na base da degradação moral que se assiste na sociedade. "Quando bebemos por excesso deixamos de cumprir com o nosso dever e o resultado será sempre negativo. A sociedade perde o equilíbrio”, frisou, lamentando a banalização da venda de bebidas alcoólicas, por tudo quanto é canto.

A presidente da Associação "Luz do Renascer” sublinhou que uma mulher, ao consumir bebidas alcoólicas por excesso, deixa de exercer o seu verdadeiro papel na sociedade, que é de educadora e cuidadora do lar.

Apesar de lamentar o aumento do número de mulheres que usam bebidas alcoólicas, Isaura Epanda discorda que consumam mais que os homens. "Existem mais é mulheres liberais a beberem em locais públicos, como bares, restaurantes, discotecas, festas familiares e de rua, algo que não acontecia no passado, em que não eram emancipadas e muito menos tinham liberdade de frequentar esses lugares”.

Defendeu medidas mais severas contra a venda e uso de bebidas alcoólicas, que têm resultado em violência doméstica, abusos sexuais, filhos desequilibrados e no cometimento de outros crimes comuns.  

"Para combater esse fenómeno, além das leis, é necessário que se faça uma grande campanha contra o consumo excessivo de álcool, começarmos a trabalhar na mentalidade das pessoas no sentido de beberem com moderação, caso contrário teremos uma sociedade cada vez mais desequilibrada”, realçou, sublinhando que "outro aspecto importante que deve ser tido em conta é a hereditariedade, pois há filhos de pais alcoólatras que têm mais tendência de o serem também”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Reportagem