Mundo

Vencedor do Nobel da Paz é hoje anunciado em Oslo

JA Online

O Prémio Nobel da Paz é hoje atribuído em Oslo, Noruega, num momento em que a Europa testemunha uma nova guerra após a invasão russa da Ucrânia, iniciada há quase oito meses.

07/10/2022  Última atualização 09H49
© Fotografia por: DR

A luta contra as alterações climáticas e a guerra na Ucrânia dominam os temas favoritos nas casas de apostas antes do anúncio do galardão, o único dos Nobel a ser atribuído pelo Comité Nobel Norueguês.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, o jornal digital The Kyiv Independent ou o povo ucraniano têm surgido nos primeiros lugares nas casas de apostas, embora as suas hipóteses reais sejam aparentemente reduzidas.

O prazo para o envio de candidaturas terminou a 31 de Janeiro, quase um mês antes do início da intervenção militar russa na Ucrânia (em 24 de Fevereiro).

No entanto, os membros do Comité Nobel Norueguês podem propor os seus próprios candidatos na primeira reunião do Comité, que este ano teve lugar no início de Março.

Antes de anunciar o vencedor, às 11:00 em Oslo (10:00 local, o Comité Nobel apenas divulga o número de candidatos, que este ano foi de 343 (251 dos quais são pessoas e 92 organizações). Um número superior aos 329 candidatos do ano passado e o segundo mais elevado de sempre, pertencendo o recorde aos 376 candidatos nomeados em 2016.

Como acontece também nas outras categorias, as identidades de quem nomeia e dos nomeados ao prémio Nobel da Paz só podem ser divulgadas 50 anos após a nomeação, assim como investigações e pareceres relacionados com a atribuição de um prémio.

O Papa Francisco, o activista russo Alexei Navalny, o documentarista de História Natural britânico David Attenborough, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dissidente bielorrussa Svetlana Tsikhanouskaya ou o Tribunal Internacional de Haia constam entre os potenciais vencedores do galardão no ano em curso.

Igualmente entre os candidatos ao galardão apontados pelos ‘media’ internacionais estão a ambientalista Greta Thunberg, o Governo de Unidade Nacional de Myanmar (antiga Birmânia), formado por opositores ao golpe de Estado ocorrido no ano passado, e os activistas de Hong Kong Agnes Chow e Nathan Law.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo