Economia

Valor do PIB ascende 70,5 mil milhões de dólares

Hélder Jeremias

Jornalista

O Relatório Anual do Centro de investigação Económica da Universidade Lusíada (CINVESTEC) de 2021 apresentado, quarta-feira(15), em Luanda, aponta para um crescimento do Produto Interno Bruto(PIB) de 59 mil milhões de dólares, em 2015, para 70,5 mil milhões, em 2021, mercê do aumento das exportações não petrolíferas e da estabilização dos preços de petróleo.

16/06/2022  Última atualização 08H20
© Fotografia por: DR

As exportações, segundo o documento, registaram um crescimento de 18 mil milhões de dólares, em 2015, para 28 mil milhões, em 2021, abaixo dos 38 mil milhões de dólares em 2019, enquanto a produção interna teve um crescimento de 40,7 para 42, 5 mil milhões, um resultado aquém dos 53,3 mil milhões de 2019 e dos 65 mil milhões do início da actual legislatura, em 2017.

Os números, avançados pelo director do CINVESTEC, Heitor Carvalho, dão conta que, apesar do crescimento do PIB ser positivo, não foi possível alcançar os 85 mil milhões de dólares de 2019, situando-se muito abaixo do pico de 96 mil milhões de dólares de 2018.

O relatório aponta, entre os factores desta oscilação, o declínio da produção petrolífera  a partir de 2018, com uma média anual de -9,0 por cento (127 mil barris por dia), agravado, no primeiro trimestre de 2021, para -12 por cento (153 mil barris por dia), assim como o retorno da estabilidade de preços e níveis de produção no período seguinte, no segundo trimestre do ano passado.

A substituição das importações pelas exportações não petrolíferas registou um crescimento de 9,0 por cento em 2019 para 10 por cento em 2020 e de 11 por cento em 2021, de acordo com Heitor Carvalho.

O Economista atribuiu a redução dos preços de consumo em curso no mercado nacional à depreciação acumulada do Dólar de 37 por cento desde Abril de 2021, altura a cotação da moeda norte-americana iniciou uma trajectória de queda da faixa dos 645 kwanzas para a actual média de 450 kwanzas. 


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia