Mundo

Ucrânia: ACNUR pede quase 700 milhões para refugiados

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) pediu hoje quase 700 milhões de euros para apoiar as necessidades prioritárias dos ucranianos que fugiram do seu país para a Polónia devido à guerra imposta pela Rússia.

27/05/2022  Última atualização 14H20
© Fotografia por: DR
Este apelo está a ser coordenado pela agência da ONU, mas reúne 87 organizações que fazem parte, na Polónia, do Plano Regional Interagências de Resposta a Refugiados, afirmou hoje a porta-voz porta-da organização, Olga Sarrado, numa conferência de imprensa realizada em Genebra, na Suíça.

"Até agora, 25% dos apelos para a Polónia foram financiados", acrescentou.

De acordo com a mesma fonte, o ACNUR vai expandir as suas operações para ajudar os refugiados na Polónia, país que continua a ser o principal destino dos ucranianos em fuga, tendo acolhido mais de 3,5 milhões de pessoas desde o início da guerra, em 24 de Fevereiro.

Os refugiados que continuam a chegar, muitos deles sem planos nem recursos económicos, pedem ajuda sobretudo para aceder aos serviços de saúde, mas também há muitos pedidos para apoio em questões como "transportes, dinheiro, necessidades psicossociais, alojamento e acesso a serviços sociais, incluindo para pessoas com deficiência e idosos", referiu a porta-voz.

Por isso, o ACNUR decidiu apoiar os esforços liderados pelo Governo polaco, através de uma resposta multissetorial com foco em serviços de protecção, assistência em dinheiro, provisões de emergência e capacidade de acolhimento.

"O ACNUR lançou o seu programa de assistência em dinheiro em Março" e, "a partir de hoje, estabelece oito centros de inscrição para apoio financeiro nas principais áreas de acolhimento de refugiados, incluindo Varsóvia, Cracóvia, Poznan, Wroclaw, Ostroda, Gdynia e Gdansk", adiantou Olga Sarrado, indicando que mais de 100.000 refugiados da Ucrânia já receberam apoio financeiro do ACNUR para cobrir necessidades básicas, como pagar rendas de casa ou comprar comida e medicamentos.

"O dinheiro é fornecido por um período de três meses aos mais necessitados -- servindo como uma rede de segurança de emergência transitória -- até que possam sustentar-se melhor ou serem incluídos nos sistemas de protecção social do Governo", explicou.

De acordo com a porta-voz da agência da ONU, quase 20% dos refugiados inscritos para assistência financeira têm necessidades específicas.

"A assistência é prestada a casos médicos graves, idosos, mães solteiras sem apoio familiar, mulheres em risco e pessoas com deficiência. Metade das crianças com necessidades específicas estão separadas ou desacompanhadas", disse a mesma fonte.

Além disso, avançou a porta-voz, o ACNUR também estabeleceu, em conjunto com a UNICEF, 12 Espaços Seguros, Centros de Protecção e Apoio na Polónia, onde os refugiados podem aceder a informações e aconselhamento sobre direitos e receber apoio psicossocial imediato.

Por outro lado, a agência da ONU "continua a entregar à Ucrânia bens humanitários a partir da Polónia", referiu Olga Sarrado, acrescentando que "até agora, foram enviados 139 camiões de ajuda do ACNUR, a partir do depósito em Rzeszow, para ajudar pessoas deslocadas e afectadas por conflitos dentro daquele país".

A Rússia lançou, em 24 de Fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas das suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,1 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também as Nações Unidas disseram que cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo