Cultura

Trajectória e obra intemporais

Quem conheceu Tchipa antes do seu sucesso adivinhava nele a vontade de se descobrir enquanto músico distinto e influenciador para uma nova maneira de fazer a arte, o que veio a ocorrer com o apoio e a sensibilidade de Eduardo Paim.

07/11/2021  Última atualização 09H15
Jacinto Tchipa © Fotografia por: Edições Novembro
Considerando o contexto de guerra na altura, o músico apelava ao amor, a unidade, a solidariedade e a nostalgia retratada na cartinha da saudade, num tempo em que as esperanças por ver uma vida melhor quase se esgotavam.

O percurso militar de Tchipa permitiu-lhe palmilhar pelas trincheiras de combate, levando um canto promissor e a esperança de ver invertido o quadro sombrio que se desenhava no horizonte, o músico era o bálsamo para a tropa e familiares separados pelo ensombrar da pólvora.

Com o agrupamento Os Fachos, o cantor soube abrir corredores para se impor entre os cantores militares, aliás, era um dos ícones a par de Jose Kafala e os trovadores José Fixe e Manuel Corado, fazendo com que nas casernas o sonho dos soldados passasse também pela música.

Os desafios da recolha levaram Jacinto Tchipa a buscar temas como "Ekumbi lyanda tukalala Pi”: anoiteceu, onde vamos dormir, na busca do refúgio no teatro de guerra e a chuva a cair...
"Afrika (tunda vouwlema)”: aqui o cantor clamava pela saída da escuridão, invocando o atraso a que o continente se remeteu, a miséria, fome, a escravatura e a morte do seu povo sem que se conheça a culpa ou razão de tanto sofrimento.

Jacinto Tchipa surgiu num momento de transição da música urbana e influenciou carreiras com a introdução de uma rítmica distinta na canção em Angola, assim como adicionou a língua umbundo como base das suas letras, estas, que se transformaram numa melodia ímpar de se ouvir com gosto.

Quem seguia Tchipa notava o esforço que os seus fãs faziam para cantar as suas canções, inventando palavras por não dominarem a língua. O desejo de seguir o cantor que brilhava em palco, nas televisões e nas rádios no interior das residências e viaturas era enorme.

Sente-se na música de Tchipa o despertar da filosofia de um povo humilde, que afoga as mágoas nas canções de embalar e retrata assim um modo de vida distinto. É reconhecida a influência das canções entoadas pelas populações do centro de Angola, com temáticas sui generis onde Tchipa busca o fôlego para embriagar quem o ouve.

"Maie, maie, maie” (ela disse mana kolela), olombongo viofumbelo... nota-se a maneira cuidada como Tchipa trata a música, respeitando conceitos próprios da arte em si, buscando apresentar de forma fiel uma herança ancestral e elevar a língua mãe como seu verdadeiro património.

Acredita-se fielmente que Tchipa, depois de uma geração que o antecedeu, representada por Zé Viola e Tchinina, intermediou e inspirou o surgimento de músicos como os irmãos Moniz e Beto de Almeida, Sabino Henda, Bessa Teixeira, Justino Handanga, estes que, felizmente, encontraram um corredor antes desbravado pelo astro.
A trajectória de Jacinto Tchipa e a sua obra definem-se como abertas para serem apreciadas numa conjuntura intemporal.


Breve biografia 

Nascido na Caala em 1958, Jacinto Tchipa foi autor das seguintes obras discográficas: "África” (1976), "A Cartinha do Soldado”, "Sissi Ola”, "Reconstrução Nacional” e "Os Meus Sucessos”. Na fase inicial da sua carreira teve passagens pelos agrupamentos África Ritmos, Orquestra Inter Palanca e Marimbas, dentre outras colaborações.

Militar das FAPLA desde 2 de Março de 1974, é na segunda metade da década de 1980 que se torna sucesso nacional. Eduardo Paim foi seu principal parceiro na produção musical. Não foi por acaso que em 1988 e 1989 conquistou o Top dos Mais Queridos. Dentre os vários sucessos, "Cartinha da Saudade” foi um marco para os militares nas frentes de combate. Esta música impactou nos combatentes das duas partes desavindas e em guerra, o que diz muito do carácter profundamente humano da arte e mais especificamente da música.
Jacinto Tchipa foi deputado pela Bancada do MPLA durante  16 anos. 

Lauriano Tchoia

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura