Opinião

Traídos pela opulência

Luciano Rocha

Jornalista

Os últimos casos suspeitos de assaltos ao erário apenas confirmam o que a generalidade dos angolanos sabe, que o combate à gatunagem de “colarinho branco” está para durar, tantos são aqueles que os praticam.

03/06/2021  Última atualização 06H15
O número de malfeitores a servirem-se de dinheiros públicos é de tal modo extenso, que constitui um verdadeiro exército, teoricamente bem organizado, com estratégias quase perfeitas, poder de contágio de fazer inveja à Covid-19, além de munido de manigâncias que a máfia não desprezava. Como autêntica organização criminosa, estende os tentáculos a várias paragens. Em Angola, onde tem o "quartel general”, e além-fronteiras. O nepotismo, no verdadeiro sentido da palavra, tal como protecção, ofertas e pagamentos generosos aos que lhe são leais. estão entre outras características que apresenta.

Como as famílias da máfia, não resiste à ostentação, a mostrar o fruto dos sucessivos crimes: roupas de moda adquiridas em várias capitais, também viaturas das marcas mais conceituadas, aviões, iates, relógios, anéis, jóias, perfumes. Também são dados a colecções, designadamente, de vivendas, apartamentos, prédios, "quintas” de fim-de-semana, terrenos, contas bancárias. São, entre outras causas, estas exuberâncias, características dos novos-ricos, que lhes permite levar uma vida que jamais imaginaram, nem em sonhos de meninos, muitos deles modestos, que os têm traído. E hão-de continuar a denunciá-los aos olhos da maioria do povo.

Estes salteadores, alguns já condenados, os indiciados, mesmo os que acabam por ser absolvidos - mais vale um criminoso em liberdade do que um inocente injustiçado -, aqueles que viram gorados intentos de fuga, a que se juntam fugitivos, aparentemente bem sucedidos, que se "puseram à fresca” antes de serem interceptados e os que hão-de ser chamados a explicar as fontes de enriquecimento repentino, sofrem já todos o castigo de não conseguirem adormecer de consciência tranquila. Aos que ainda lhes restar, naturalmente...

Crianças sem escola, camponeses sem terras, extorquidas para darem lugar a casas de fim-de-semana, pastores sem pasto, nem água para o gado e eles próprios, jovens à procura do futuro que lhes é negado são provas constantes da acção da gatunagem do erário. Também atestam estradas e pontes "construídas” apenas para engordarem contas dos ladrões dos dinheiros públicos, as centralidades surgidas pelos mesmos motivos, tudo ou quase o que foi feito num período relativamente curto, mas demasiado doloroso para ser esquecido.

O egoísmo deste exército de bandoleiros é tal que atingiu alguns dos que lhes estão ligados por laços de sangue, amizade, que já valeram tanto como os de parentesco; vizinhança, que era extensão da família. Eles até esqueceram noites de outros tempos, de lua grande ou com brisas a avisar chuva, com os pais falarem conversas, de ninguém interromper, sobre assuntos trazidos de fora, nas ondas do mar; das mães surdinarem medos; crianças a brincarem despreocupadamente nas ruas de areia vermelha, com paus de fruta a saírem dos quintais enfeitados com flores.

Os tempos eram de medos e preocupações, mas, igualmente, de esperança, solidariedade, nunca de vergonha. Agora, muitos pais e mães, avós e avôs perguntam-se onde falharam para filhos e netos lhes desonrarem os nomes. E os meninos e meninas mais pequenos não conseguem entender por que é que os amigos deixaram de brincar com eles e lhes chamam, de segredo, "filhos de marimbondos”. É, uma vez mais, na crueldade da inocência de uns e outros, "o justo a pagar pelo pecador”. Se nem isso faz com que a gatunagem de "colarinho branco”, espalhada por  todos os sectores, arrepie caminho, pouco mais resta à generalidade dos angolanos, do que a esperança de a PGR e SIS continuarem a desmascarar os impostores.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião