Sociedade

Traços dos grupos etnolinguísticos de Angola exibidos em Luanda

Mazarino da Cunha

Jornalista

Os traços históricos, linguísticos e rituais festivos dos nove principais grupos etnolinguísticos de Angola foram, exibidos na 7ª edição da Feira Antropológica, no Complexo Escolar São Domingos, distrito Urbano do Rangel, em Luanda.

28/06/2022  Última atualização 09H25
O grupo poderá participar numa Cimeira a nível da Comunidade para o Desenvolvimento da África Autral © Fotografia por: contreiras pipa | EDIÇÕES NOVEMBRO

Promovida pelos pré-finalistas do curso de Ciências Económicas e Jurídicas, a feira exibiu de forma encenada os traços dos Ambundu, Bakongo, Cokwe, Vangangela, Ovanyaneka-nkhumbi, Ovahelelo, Ovambo, Ovakwanyama, Ovandonga e Ovimbundu. A feira antropológica foi realizada com o objectivo de fechar o ano lectivo. 

Os alunos que representaram o grupo etnolinguístico Cokwe receberam do júri 19,5 valores, seguido dos Bakongo (17,5) devido à estruturação do trabalho apresentado ao jurado, enfatizando a cientificidade das referências bibliográficas consultadas.   

Em declarações ao Jornal de Angola, a subdirectora Pedagógica do Complexo Escolar São Domingos, Silvina dos Prazeres, disse que os pré-finalistas souberam trazer e transmitir os traços históricos, linguísticos e rituais festivos dos principais grupos etnolinguísticos que constituem a actual população de Angola.  

Silvina dos Prazeres frisou que a realização da 7ª edição da Feira Antropológica, enquadra-se nas comemorações do 25 de Maio, cujo objectivo é elevar de forma prática os conhecimentos sobre a diversidade cultural existente da República dos Camarões até à África do Sul.  

De acordo com a subdirectora, a feira também teve como propósito demonstrar as competências científicas e organizacionais de cada grupo constituído, numa altura em que o país precisa, cada vez mais, de jovens criativos, práticos e patrióticos.  

Silvina dos Prazeres referiu que o Complexo Escolar São Domingos Sávio é uma instituição de ensino dos Frades Menores Capuchinhos de Angola, existente há mais de 50 anos, e é conhecida pela sua tradição no ensino de qualidade e na interacção escola-comunidade.  

A presidente do júri, Elisabeth Pombal, considerou positiva a elaboração e a apresentação feita pelos pré-finalistas do curso de Ciências Económicas e Jurídicas do Complexo Escolar São Domingos, solicitando aos alunos a aprofundar, cada vez, mais os conhecimentos científicos.  

Elisabeth Pombal disse estar surpreendida pela positiva, pelo facto de ter aprendido muita coisa sobre as particularidades culturais e históricas dos nove principais grupos etnolinguísticos de Angola que não sabia e acabou por aprender durante a feira.  

Além da feira antropológica, o evento também teve palestra sobre as profissões. A feira académico-cultural e profissional contou com a presença de representantes da Educação do distrito do Rangel, professores e alunos dos dois ciclos de ensino, membros da comissão de pais, encarregados de educação e público.Para 2022, frisou Elisabeth Pombal, está agendada uma Cimeira a nível da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), onde vai-se falar temas sobre economia, política sociedade, cultura e o futuro da juventude de África.  

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade