Política

Testemunho de cidadãos que votam pela quinta vez

Armando Sapalo | Dundo

Jornalista

Agostinho Calemba, 56 anos de idade, soba da localidade do Chitato, arredores da cidade do Dundo, município do Chitato e Alfredo Cazanguie, um camponês da mesma circunscrição de 54 anos de idade, são dois de vários cidadãos da Lunda-Norte que vão pela quinta vez às urnas exercerem o dever cívico.

12/08/2022  Última atualização 07H05
Alfredo Cazangule, e o Agostinho Calemba © Fotografia por: Armando Sapalo | Edições Novembro

Ambos se consideram cidadãos privilegiados , pelo facto de  estarem ligados à história  de todos os ciclos eleitorais do País  e garantem ser fontes vivas , para transmitirem às outras gerações de Angolanos a importância de cada cidadão  participar na festa da  democracia, com tolerância e respeito  às instituições.

 Agostinho Calemba, uma das autoridades tradicionais do município do Chitato disse ao Jornal de Angola que quer ser um exemplo para as futuras gerações sobre o dever cívico de um cidadão. Defendeu que os actores políticos que concorrem às eleições de 24 de Agosto, devem desenvolver as suas actividades lembrando que o interesse nacional está acima de todos, daí a necessidade da observância do civismo.

O apelo do soba, vai no sentido dos líderes e os militantes das oito formações políticas concorrentes  , terem  uma postura serena durante todo o processo eleitoral, respeitando a decisão do povo.  Agostinho Calemba acredita que pelo facto de Angola caminhar para as quintas eleições, os políticos do País, já estão suficientemente amadurecidos para assumirem que só o povo é que escolhe o futuro líder da nação.

 Em 1992, altura da realização das primeiras eleições, o soba Agostinho Calemba tinha 26 anos de idade e na ocasião o clima era de incerteza e ansiedade, tanto para os políticos como para os cidadãos, uma vez que a Nação começava a entrar para uma nova era em termos de fortalecimento da democracia e das respectivas   instituições.

" Eu tinha 26 anos em 1992, já tinha o cartão de eleitor, mas lembro que toda a gente tinha medo porque a ideia que muitos passavam era de que nenhum dos candidatos aceitaria o resultado que favorece outro concorrente”, disse, antes de reconhecer que hoje os políticos angolanos demonstram que cresceram bastante com os erros do passado.

Agostinho Calemba garantiu que tem vindo a desenvolver acções de sensibilização junto da  comunidade no sentido de cidadãos maiores de dezoito anos de idade que actualizaram os dados  para no dia 24 de Agosto , exercerem o   dever cívico. Por sua vez, Alfredo Cazanguie, camponês  do município do Chitato disse ao Jornal de Angola que  a primeira  vez que votou em 1992 , tinha 24 anos de idade , sendo que  ao cumprir  sucessivamente com o  dever cívico nas Eleições de 2008 , 2012, 2017 e  estando agora tudo a postos para fazê-lo pela quinta ocasião , considera ser um privilégio.

 Alfredo Cazanguie afirmou que, com todo esse percurso e a julgar pelas experiências anteriores, acredita que os políticos angolanos estão do ponto de vista cívico preparados para o País realizar eleições pacíficas, para o bem-estar de todos e servir de exemplo para outros.

Defendeu que todos devem lembrar que Angola já passou por momentos difíceis da sua história e agora, as atenções têm de estar viradas para o futuro de uma Nação que ainda tem muito caminho para percorrer.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política