Economia

Terminou a linha de compra de títulos às empresas

O Banco Nacional de Angola (BNA) anunciou o encerramento da “Linha de Liquidez para Compra de Títulos Públicos às Empresas”, no valor de 100 mil milhões de kwanzas, nos termos do prazo de vigência e do “plafond” de utilização previstos nos normativos números 6 e 9, que em Abril e Maio instruíram a referida operação.

10/08/2020  Última atualização 15H05
Vigas da Purificação | Edições Novembro © Fotografia por: Interesse demonstrado pelas empresas de grande dimensão do sector produtivo ditou o êxito do alívio económico

Pelo menos 148 operações de compra de Obrigações do Tesouro na plataforma de negociação da Bodiva (Bolsa de Dívida e Valores de Angola) foram realizadas ao abrigo dos instrutivos nº 06/2020, de 6 de Abril, e nº 09/2020, de 11 de Maio, e correspondem à compra de títulos a 87 empresas, um total de 99,2 mil milhões de kwanzas.

A tramitação dos processos das entidades visadas ocorreu junto de 13 bancos comerciais e os sectores de actividade das empresas listadas correspondem ao Comércio e Indústria, Engenharia e Construção, Prestação de Serviços e Telecomunicações, sendo, do total, 77 por cento de grandes empresas, 19 de pequenas empresas e 4,00 por cento de médias empresas.

As grandes empresas do Comércio e Indústria absorveram dos bancos comerciais aproximadamente 11,6 mil milhões de kwanzas, de Engenharia e Construção 28,9 mil milhões e de Prestação de Serviços 35,6 mil milhões. No sector das Telecomunicações nenhuma empresa se encontra cadastrada como grande ou média empresa.

O BNA gastou quase 2,4 mil milhões para a compra de Obrigações do Tesouro (OT) das médias empresas da área do Comércio e Indústria, 482,7 milhões para as OT das médias empresas de Engenharia e Construção e 1,182 mil milhões de kwanzas para as OT das empresas de Prestação de Serviços.

Quanto a pequenas empresas do sector do Comércio e Indústria, o banco central investiu 6,875 mil milhões, do sector de Engenharia e Construção 2,6 mil milhões, do sector de Prestação de Serviços 9,1 mil milhões e das Telecomunicações 393,1 milhões de kwanzas.

Bancos participantes

Entre os bancos comerciais que participaram, 10 processos tramitaram no ATL (Banco Millennium Atlântico) e correspondem a mais de 2,523 mil milhões de kwanzas, 16 no BAI (Banco Angolano de Investimentos) e somaram 26,312 mil milhões, 3 no BCI (Banco de Comércio e Indústria) com mais de 3,311 mil milhões, 20 no BFA (Banco de Fomento Angola) com 29,313 mil milhões, 9 no BIC (Banco Internacional de Crédito) com 3,970 mil milhões, 5 no BNI (Banco de Negócios Internacional) com 4,661 mil milhões e 3 no BCGA (Banco Caixa Geral Angola) com 2,044 mil milhões de kwanzas.

Outras duas empresas passaram pelo Banco Económico (BE) e o montante oferecido foi de 2,888 mil milhões de kwanzas, 3 pelo Banco de Crédito do Sul (BCS) por 6,727 mil milhões, uma pelo Banco de Investimento Rural (BIR) por 2,353 mil milhões, outra pelo Finibanco Angola (FNB) por 2,450 mil milhões, 12 pelo Banco de Poupança e Crédito (BPC) por 6,488 mil milhões e duas pelo BRK por 6,184 mil milhões de kwanzas, aproximadamente.

Instrutivo nº 06/2020

Ao abrigo do Instrutivo nº 6, o BNA disponibilizou uma linha de liquidez para compra de títulos públicos às empresas, já que, na sequência da declaração do Estado de Emergência, a instituição considerou “oportuno implementar medidas, para permitir que pequenas e médias empresas possam transformar determinadas Obrigações do Tesouro nos seus balanços em liquidez imediata, facilitando assim a sua gestão de tesouraria durante este período de menor actividade”.

O período de vigência do instrutivo foi definido para 90 dias, ou até esgotado o limite da linha para a compra de Obrigações do Tesouro, e apesar da alternativa dada pelo banco central, o prazo não foi prorrogado.

Ainda assim, o Instrutivo nº 09/2020 aditou as grandes empresas ao pacote, ao ter em conta que “o interesse demonstrado pelas empresas de grande dimensão do sector produtivo no desconto de Obrigações do Tesouro por si detidas, de forma a gerar liquidez para cumprir as suas responsabilidades de curto prazo”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia