Política

Tempo de Antena

Xavier António

Jornalista

As forças políticas concorrentes observaram, ontem, o décimo primeiro dia da exploração do Tempo de Antena, no seguimento da campanha às Eleições Gerais de 24 de Agosto, no qual procuram reforçar as acções políticas implementadas para conquistar o voto do eleitorado. Mostramos, com base na apreciação jornalística, o que “eles disseram nos tempos na Rádio”.

05/08/2022  Última atualização 09H39
Campanha às Eleições Gerais de 24 de Agosto © Fotografia por: DR

MPLA

O candidato do MPLA a Presidente da República, João Lourenço, disse, ontem, que as escolas e os hospitais, construídos nos últimos cinco anos, estão a atender todos os cidadãos angolanos independentemente da sua cor partidária.

"E não vejo absolutamente nada que tenha sido realizado por este Executivo, que seja direccionado, apenas, para servir os membros do MPLA”, sublinhou.

João Lourenço, que falava no Tempo de Antena na Rádio Nacional de Angola, prometeu, se for eleito para mais um mandato, aumentar os investimentos nos sectores da Educação, Saúde, Energia e Águas.

De acordo com o líder do MPLA, durante o seu último mandato, 472 mil famílias beneficiaram de energia eléctrica, em todo o território nacional. Nesse período, apontou, um milhão e 500 mil famílias beneficiam de água potável.

"Assim como a água traz saúde e vida melhor para as pessoas, a energia fortalece a economia de uma região. Energia e luz nas casas, segurança nas ruas e conservação de alimentos são indústrias a nascer e empregos a chegar”, enfatizou.

UNITA

O partido do "galo negro” acredita que para se construir uma Angola diferente, "precisa-se de uma nova liderança comprometida com a missão de servir os angolanos.

Ressaltou que no dia 24 de Agosto, além do Presidente da República, os angolanos vão eleger, também, os deputados à Assembleia Nacional e será formado um governo inclusivo e participativo. Para a UNITA, "está nas mãos dos eleitores a chave da mudança”.

No entender do candidato da UNITA a Presidente da República, Adalberto Costa Júnior, a forma para projectar o futuro de Angola é por via da inclusão, agregação de valores, aprendizagem contínua e lutando para o resgate dos valores da família.

A reforma do Estado é também um dos eixos estratégicos a ser implementado, caso seja eleito pelo governo. A UNITA preconiza um sistema de justiça autónomo, eficaz e que concilie os valores da simplificação, celeridade e segurança.

CASA-CE

Por sua vez, o presidente da CASA-CE, Manuel Fernandes, entende que todo esforço de governação deve recair para a criação de novos postos de trabalho, mais produção agrícola e industrial e escolas.

O político defendeu, igualmente, que "não pode haver desenvolvimento sem educação''. A educação deve ser o nosso lema pois o analfabetismo promove a exclusão social, agudiza as assimetrias sociais, fomenta e acomoda a pobreza”.

A CASA-CE, acentuou, saúda o fim da reforma escolar e promete, caso vença as quintas eleições gerais, um ensino gratuito até a 9ª classe, massificação do processo de alfabetização, aposta na formação contínua dos professores, agentes alfabetizadores, bem como a universalização da merenda escolar no ensino primário.

No domínio do ensino superior, promete investir em infra-estruturas para os estudantes universitários, fomentar a criação de mais universidades privadas e apostar na investigação científica para o suporte das decisões no país.

PRS

Caso vença às Eleições Gerais de Agosto, o partido de Renovação Social (PRS) promete defender no Parlamento a reforma da Justiça, tornando-a eficiente e eficaz, bem como a "consagração da pena perpétua” para todos os homicídios voluntários e outros crimes graves.

Com esta medida, o partido de Benedito Daniel quer garantir a tranquilidade, estabilidade social e a erradicação de actos hediondos. Na sua proposta de governo, pretende, também,  transformar a Procuradoria-Geral da República (PGR) num verdadeiro órgão da legalidade.

O PRS vai, igualmente, apostar na valorização dos recursos humanos, através de acções de formação de oficiais de Justiça, magistrados judiciais, do ministério público, entre outros.

Na visão desta força política, a valorização dos recursos humanos passa pelo estabelecimento de salários justos, benefícios para os magistrados, a fim de se evitar as tentações de corrupção.

No Tempo de Antena, Benedito Daniel disse esperar que os cidadãos votem no seu partido, para quem o seu programa "vai trazer bem-estar para todos, construir o país e defender o povo”. 

PHA

O partido Humanista de Angola, sob liderança de Bela Malaquias (única mulher a concorrer nas Eleições de Gerais de 24 de Agosto), disse que no seu programa de governo figura como urgente "humanizar a política angolana e tornar a democracia mais inclusiva”.

O PHA defende que o regime político deve ser feito pelas massas, como a única fonte de poder que actua e se manifesta por meio da eleição dos órgãos legislativos e administrativos, assim como o controlo público da gestão do Estado.

O partido promete transitar para a democracia parlamentar em que a escolha do governo (poder executivo) é politicamente responsável perante o Parlamento.

Assegura, ainda, que vai estabelecer o equilíbrio entre mulheres e homens na participação dos órgãos da soberania e nos espaços de decisão, de acordo com as proporções populacionais.

APN

A Aliança Patriótica Nacional promete, caso vença às eleições, que o único objectivo será trabalhar para o povo e o resgate de cada cidadão, da dignidade de ser angolano, assinalando que estes vão fazer a escolha certa.

A APN defende uma política que assegura a efectiva emancipação da mulher, garantindo-lhe a igualdade de oportunidades em todos os sectores da vida social, com destaque para a atribuição de um subsidio de maternidade, aumento do pedido de licença de maternidade, fazendo uma compensação com o teletrabalho.

No Tempo de Antena, a APN emitiu depoimentos de alguns militantes que apelaram ao voto no partido nas eleições marcadas para 24 deste mês.

P-NJANGO

O partido defende, para que a indústria transformadora seja sustentável, é preciso dotá-la de todas normativas vigentes nas organizações mundiais, no âmbito da regulação do ambiente, para que este sector seja acompanhada de políticas de preservação das espécies e  biodiversidade.

"A indústria transformadora ecológica será parte do investimento para prevenir as futuras gerações dos desastres ambientais e do aquecimento global”, refere, acrescentando que as centrais industriais e os fertilizantes serão "amigos do ambiente”.

Se for governo, o P-NJANGO prevê abrir rodovias para levar os produtos do campo para as grandes cidades. Esta força política promete assegurar uma saúde de qualidade para todos os angolanos e atender todos os cidadãos independentemente da sua capacidade económica ou mesmo sem qualquer documento de identificação.

FNLA

A Frente Nacional de Libertação de Angola preencheu os seus dez minutos no Tempo de Antena com depoimentos do compositor e cantor da música "Tio kwenda”, que abordou os conteúdos da letra e as razões que o levaram a compor a melodia. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política