Política

Tempo de Antena das Forças Políticas

Xavier António

Jornalista

As forças políticas concorrentes observaram segunda-feira(8), 15º dia da exploração do Tempo de Antena, no seguimento da campanha às Eleições Gerais de 24 de Agosto, no qual procuram reforçar as acções políticas implementadas para conquistar o voto do eleitorado. Mostramos, com base na apreciação jornalística, o que “eles disseram nos tempos na Rádio”.

09/08/2022  Última atualização 10H25
© Fotografia por: DR

MPLA

O candidato a Presidente da República do MPLA, João Lourenço, prometeu, ontem, mais investimentos em infra-estruturas que garantam o desenvolvimento e a construção de um país com mais Saúde e Educação.

No seu tempo de antena no quadro das Eleições Gerais de 24 de Agosto, considerou que como uma das maiores realizações dos últimos cinco anos os investimentos nos domínios socioeconómicos e a satisfação de ver cidadãos curados de diversas doenças.

Prometeu, caso seja eleito Presidente da República, continuar a prestar atenção à Saúde e Educação, dando seguimento à conclusão da rede rodoviária, melhoria do abastecimento de energia e água, bem como do projecto de luta contra a seca no Sul do país.

UNITA

O partido diz que o governo que pretende formar preconiza um conjunto de medidas nacionais para potenciar as capacidades para a satisfação das necessidades das populações.

Pretende realizar um plano nacional da Agricultura, Silvicultura, Pecuária, Aquicultura com as articulações a nível da economia, emprego e ensino.

Promete assegurar a promoção pela juventude do interesse de actividades nos sectores de Agricultura, Silvicultura, Pecuária, entre outros, em todas as suas cadeias de valor. Defende a criação de um banco de crédito e fomento agrícola para estimular a actividade no país.

PRS

O tempo de antena do Partido de Renovação Social ficou marcado com um comício na província da Lunda-Sul, onde o presidente Benedito Daniel foi recebido pelos militantes.

No mercado do Cambembe, palco do acto político de massas, Benedito Daniel apresentou o programa de governação 2022-2027, caso vença as eleições de 24 de Agosto.

O político reiterou a aposta no modelo de governação assente no federalismo, para quem esta forma "não é nenhuma divisão''. "É apenas um modelo de Estado que permite erradicar as assimetrias e a justa distribuição da renda nacional".

CASA-CE

Esta coligação de partidos políticos apresentou, ontem, a visão sobre o sector das Relações Exteriores. A CASA-CE entende que este segmento "precisa de melhorias com a finalidade de colocar Angola nos lugares cimeiros do desenvolvimento".

Se vencer as eleições gerais, promete através deste sector a captação de mais investimento estrangeiro e projectar a imagem de Angola no mundo, tendo em conta a posição geoestratégica que ocupa.

A CASA-CE promete transformar Angola numa potência económica e tecnológica no contexto mundial. Diz que vai reformular o Ministério das Relações Exteriores com o foco na diplomacia económica e defesa dos interesses do país.

PHA

O Partido Humanista de Angola considerou a Educação como um instrumento de intervenção fundamental para criar desenvolvimento, paz social e ética pública. Para o partido de Bela Malaquias, todos devem ter direito à Educação gratuita até ao ensino médio, tendo considerado que o elementar deve ser obrigatório, o técnico e profissional generalizado e o ensino superior aberto a todos.

Segundo o PHA, é através de uma Educação com qualidade que se constrói quadros profissionais e valorizados. O partido prometeu criar um novo sistema educativo com base em valores alinhados com os interesses do desenvolvimento do país.

FNLA

O tempo de antena da Frente Nacional de Libertação de Angola ficou preenchido com a apresentação do programa de governação nas línguas Umbundu e Kikongo.

 APN

A Aliança Patriótica Nacional prometeu, se for governo nas eleições gerais de 2022, avançar com a criação de leis mais severas contra violadores dos direitos da criança. O partido de Quintino Moreira pretende assegurar que as crianças sejam felizes e tenham a capacidade de poder brincar livremente sem que um "predador esteja próximo delas para roubar a sua paz".

Para a APN, urge também a necessidade de fortalecimento do sistema judicial para conferir maior protecção às crianças e melhoria da saúde da criança, assente no que considera grande sistema pediátrico no país.

 P-NJANGO

O Partido Nacionalista para a Justiça em Angola destacou, ontem, que a oposição não serve apenas para criticar, mas também para propor políticas em benefícios de todos. Pretende, igualmente, alcançar aproximadamente 30 assentos no Parlamento, nas Eleições Gerais de 24 de Agosto, com o objectivo de contribuir com propostas que visam o bem-estar do povo.

O partido de Dinho Chingunji reiterou que tem a juventude como prioridade, por ser a maioria da população e força motriz para o desenvolvimento do país.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política