Sociedade

Tecnologias de informação terão centro de monitorização

Edna Mussalo

Jornalista

Angola contará, ainda este ano, com um Centro de Monitorização e Gestão do Espectro Radioeléctrico e das interferências que possam surgir em diferentes sectores, avançou, esta terça-feira, em Luanda, o ministro das Telecomunicações, Tecnologia de Informação e Comunicação Social (MTTICS), Manuel Homem.

18/05/2022  Última atualização 09H15
Manuel Homem garante mais acções para melhorar as telecomunicações © Fotografia por: Rafael Tati| Edições Novembro

O ministro, que falava durante a abertura do Fórum Tech Hub, acrescentou que a criação do centro poderá destacar-se nos operadores de telecomunicações, na aviação civil, militar, serviço marítimo, na utilização de frequências de radiodifusão, bem como nos serviços especiais de comunicações adstritas aos Órgãos de Defesa e Segurança.

Manuel Homem referiu que a operacionalização do 4º título global unificado permitiu a entrada da operadora Africell, como resultado da estratégia de liberalização do mercado e melhoria e diversificação dos serviços de telecomunicação.

O executivo, garantiu, vai continuar a investir em projectos estruturantes e indutores, como a criação da indústria e mercado da teledifusão, no quadro da Estratégia da Migração Digital, a

infra-estrutura nacional de banda larga, assente em fibra óptica submarina e terrestre, e infra-estrutura nacional de transmissão por satélite, no projecto Angosat.

"Vamos continuar a promover o desenvolvimento sustentável dos serviços de telecomunicações de uso público e a formular as linhas orientadoras que permitam, a médio e longo prazos, satisfazer as necessidades básicas da população, empresas e todos outros utilizadores, em todo o território nacional", destacou.

"O país conta com mais de 17 milhões de assinantes de telefonia móvel, mais de sete milhões de utilizadores de Internet e mais de dois milhões de subscritores de televisão por assinatura", sublinhou Manuel Homem.

Informou que, fruto de investimentos públicos e privados, Angola já se destaca no contexto da África subsariana, com uma infra-estrutura de telecomunicação que está a crescer em termos de cobertura nacional e qualidade capaz de se constituir em relevante suporte para a infra-estrutura do Mercado Único Digital, em conformidade com a Agenda 2063 da União Africana.

Manuel Homem disse constituir preocupação permanente do Governo assegurar a existência de um ambiente legislativo e de infra-estruturas de telecomunicações, no geral, e de cibersegurança, de forma particular, que salvaguardem a correcta observância dos

requisitos da protecção dos sistemas de informação e dados públicos e privados.

O ministro apelou à sensibilização dos usuários, sobretudo dos mais jovens, para os perigos de má utilização das ferramentas tecnológicas e interactivas das redes sociais, de forma a não lesar o interesse de terceiros, bem como dos cuidados a ter para não se cair na condição de vítima.

O fórum, realizado em alusão ao Dia Internacional das Telecomunicações e da Sociedade da Informação, teve como lema: "A liderança de Angola para a transformação digital em África", e contou com a presença de representantes de várias empresas do ramo das tecnologias e de informação.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade