Economia

Técnicos da Vecturis constatam condições no Porto do Lobito e CFB

Sampaio Júnior | Benguela

Jornalista

Uma delegação da Vecturis efectuou, na terça-feira, visita de constatação das condições técnicas e materiais das infra-estruturas dos Caminhos-de-Ferro de Benguela e terminais minérios do Porto do Lobito.

08/12/2022  Última atualização 07H55
© Fotografia por: DR
Trata-se de uma das empresas do consórcio vencedor do recente concurso internacional de concessão do Corredor do Lobito.

No terminal minério, os visitantes passaram pela  sala de geradores, armazéns e oficinas, também pelo centro hospitalar, bem como pelas direcções de material, de estação de mercadorias e de logística do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB).

De acordo com a administradora para a Área Comercial e Operações do Porto do Lobito, Janete Matana, foi um exercício proveitoso, porquanto a delegação da Vecturis tomou contacto com a realidade funcional do Corredor do Lobito.

Os integrantes da comitiva constataram com agrado, mais uma vez, todo o potencial que o corredor oferece para alavancar o desenvolvimento da economia nacional e para lá das fronteiras, com realce às regiões Austral e Central de África.

Janete Matana explicou que o consórcio vai assumir a exploração e manutenção dos transportes ferroviários de mercadorias, bem como da conservação e preservação de todas as infra-estruturas existentes ao longo do corredor.

O contrato de concessão do Corredor do Lobito, por um período de 30 anos, entre o Ministério dos Transportes e o consórcio, é um marco relevante para o desenvolvimento e optimização do sector.

Esta visão partilhada pelo economista Joaquim Manuel, para quem a visita revela que está tudo em conformidade  para o início das operações do Corredor do Lobito, uma vez possuir Benguela um sistema modal perfeito.

"Tenho fé que, com a entrada em acção do consórcio, vai ocorrer que a parceria conferirá mais dinâmica, aumento da eficiência e modernização tecnológica da infra-estrutura existente. O desenvolvimento expressa a aspiração a uma sociedade melhor e é o que se pretende com o Corredor do Lobito ”, afirmou.

Conforme acordo das partes, o contrato de concessão pode ser prolongado até 50 anos, caso o consórcio opte por construir o ramal ferroviário Luacano (Moxico) e Jimbe (Zâmbia), numa extensão total de 259 quilómetros. Este será um outro passo importante para a integração regional.

Joaquim Manuel refere que o Corredor do Lobito é um dos indicadores de melhoria da qualidade de vida das províncias situadas ao longo da trajectória ferroviária. Acrescenta ainda que o mesmo vai criar oportunidades para o desenvolvimento de pequenos negócios, pois é uma oportunidade para as pessoas empreenderem, através da criação de soluções para ajudar o público e, deste modo, conquistar o sucesso e maior rentabilidade.

O grupo empresarial, em companhia dos membros dos conselhos de administração do CFB e Porto do Lobito, tomou ainda contacto com os trabalhos realizados nos diferentes departamentos, tendo percorrido uma distância de cinco quilómetros, a bordo de uma dresina (veículo ligeiro ferroviário). O ponto de partida foi a estação principal do Lobito e na visita guiada receberam explicações de especialistas das referidas unidades empresariais sobre os programas em curso e tudo o que tem sido feito para assegurar a continuidade das empresas e a satisfação dos colaboradores.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia