Economia

Taxa de desemprego cai para 30,5 por cento

A taxa de desemprego em Angola fixou-se em 30,5 por cento no primeiro trimestre de 2021, uma redução de 1,5 pontos percentuais face ao período homólogo, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

18/06/2021  Última atualização 09H34
© Fotografia por: DR
Entre Janeiro e Março, a taxa de desemprego foi estimada em 30,5 por cento, valor inferior em 0,1 ponto percentual em relação ao do trimestre anterior (30,6) e inferior a 1,5 pontos percentuais relativamente ao trimestre homólogo (32).

No primeiro trimestre de 2021, a população desempregada, estimada em 4 744 020 pessoas com 15 ou mais anos, diminuiu em 0,1 pontos percentuais (3 602 pessoas) em relação ao trimestre anterior.

No entanto, verificou-se um aumento de 8 563 desempregados em termos homólogos, representando um acréscimo de 0,2 por cento.

A população empregada com 15 ou mais anos foi estimada em 10 821 205, ou seja, aumentou 0,7 por cento relativamente ao trimestre anterior (mais 71 717 pessoas) e 7,3 por cento em relação ao trimestre homólogo de 2020.

A taxa de emprego situou-se em 62,6 por cento, menos 0,3 por cento em relação ao trimestre anterior (62,8 por cento) e aumento de 3,3 relativamente ao trimestre homólogo (60,7).

O relatório do INE destaca que a situação de calamidade pública devido à Covid-19 resultou no abrandamento temporário de produção de bens e serviços, em particular os não essenciais, bem como restrições à livre circulação de pessoas, em particular no caso de Luanda que se encontra há mais de um ano sob cerca sanitária. No primeiro trimestre de 2021, o grosso das províncias  trabalhava com 75 por cento da força de trabalho.


A população economicamente activa com 15 ou mais anos, aumentou em 5,0 por cento relativamente ao trimestre homólogo, o que corresponde a um aumento de 745 778 pessoas. Em Angola, a grande maioria das pessoas empregadas (80,2 por cento) tem emprego informal, num total de 8 680 137 pessoas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia