Mundo

Talibãs matam irmão do ex-vice-Presidente

O irmão de Amrullah Saleh, ex-vice-Presidente do Afeganistão, e o seu motorista foram mortos a tiro pelos talibãs na província nortenha de Panjshir, confirmou, ontem, a família da vítima.

12/09/2021  Última atualização 10H09
Familiares confirmaram a morte a tiro de Amrullah Saleh © Fotografia por: DR
Segundo a família, Rohullah Azizi e o motorista tinham-se deslocado de carro para uma localidade na região quando soldados talibãs o obrigaram a parar num posto de controlo, onde, por razões ainda por conhecer, foram mortos a tiro. A Associated Press contactou os talibãs para obter mais informações, mas não obteve resposta.

Citado pela agência, o sobrinho de Azizi, Shuresh Saleh, disse desconhecer para onde se deslocava o tio, um conhecido combatente anti-talibã.

O vice-Presidente Amrullah Saleh liderou as forças que resistiram aos talibãs em Panjshir, a última província a ser invadida pelos novos governantes do Afeganistão.

Enquanto isso, o vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dmitry Medvedev, advertiu, ontem, no vigésimo aniversário do ataque terrorista de 11 de Setembro, que a retirada dos EUA do Afeganistão incentiva as actividades do grupo extremista Estado Islâmico (IS). "A retirada dos EUA do Afeganistão apenas alimenta as actividades desta organização terrorista, que continua a ser uma enorme ameaça para a Ásia, África, Médio Oriente e Europa”, disse o antigo Presidente russo num artigo publicado na Gazeta.ru.

Os EUA tomaram a decisão de lançar a operação militar no Afeganistão após os ataques de 11 de Setembro de 2001, com o objectivo de desmantelar a rede Al-Qaeda, eliminando o seu líder, Osama bin Laden, e derrubando o Governo dos talibãs, que protegia certos grupos terroristas. Medvedev salientou que os americanos não atingiram ao fim de duas décadas "o seu principal objectivo, derrotar o terrorismo no Afeganistão”.

"Devido aos múltiplos erros da política dos EUA no Médio Oriente, os terroristas continuam activos neste país”, disse.
O ex-Presidente disse que os americanos não conseguiram impedir a transferência massiva de militantes do IS da Síria para o Afeganistão.

"Segundo estimativas dos serviços secretos, existem actualmente dezenas de milhares de militantes do IS e seus apoiantes na região, uma parte considerável dos quais está concentrada nas zonas fronteiriças com países vizinhos a Norte e nas províncias orientais”, afirmou.





Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo