Economia

TAAG e China Lucky Aviation assinam acordo de carga avaliado em 200 milhões de dólares

A companhia aérea nacional TAAG assinou, nesta quarta-feira, um acordo de 200 milhões de dólares anuais com a China Lucky Aviation para transporte de carga a partir de Changsa, na China, para África e América do Sul.

15/06/2022  Última atualização 14H28
© Fotografia por: DR | Arquivo

A rota Changsha – Luanda - São Paulo entra em funcionamento já esta semana e para atender ao contrato, que prevê a utilização de aviões TAAG em regime ‘charter’, a companhia vai adicionar à frota duas novas aeronaves Boeing 777 que se vem juntar às oito já existentes deste modelo.

Segundo o presidente executivo da TAAG, Eduardo Soria, este acordo de longo prazo "vai permitir colocar Luanda e Angola no caminho das novas relações intercontinentais e de logística” no mundo pós-Covid e está essencialmente orientado para carga.

Além de ser um acordo importante para os dois países será também "um factor decisivo para o novo aeroporto de Luanda, que vai entrar em funcionamento no próximo ano” e uma oportunidade para pôr África no mapa do tráfego internacional de carga, em que o continente é deficitário.

O acordo, que entra em vigor já esta semana, marca o regresso da TAAG à China e abre a possibilidade de novos mercados na América do Sul e Central, além do Brasil, bem como noutras cidades chinesas nomeadamente Hong Kong, Chengdu Tianfu, Guangzhou, Chengdu Shuangliu, Shangai Hongqiao e Pequim, capital da China.

A parceria pode chegar também a outros destinos adicionais, entre os quais a Índia, países da África subsaariana e Europa.

Eduardo Soria adiantou que, em princípio, serão realizados dois voos por semana que poderão transportar carga de diversos tipos, desde vestuário a material logístico, estimando-se uma movimentação em torno das 200 ou 300 toneladas semanais.

O acordo cobre também operações ‘charter’ de passageiros, mas na fase inicial apenas vão realizar-se voos de carga.

Tongxi Li, representante geral da China Lucky Aviation (CLCA), afirmou que a empresa, que opera a partir de uma zona logística especial na província de Hunan, tem parcerias estratégicas com mais de 20 companhias aéreas mundiais e salientou que o acordo vai gerar mais de 200 postos de trabalho nos aeroportos de Luanda.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia