Economia

TAAG assina contrato de USD 200 milhões

Ana Paulo

Jornalista

O acordo comercial de três anos assinado, quarta-feira(15), em Luanda, entre a TAAG e a chinesa Lucky Aviation (CLCA) para ligar a cidade chinesa de Changsha, a Luanda e São Paulo, no Brasil, em voos de carga está avaliado em 200 milhões de dólares por ano, segundo informações obtidas pelo Jornal de Angola.

16/06/2022  Última atualização 10H40
Representantes da TAAG (à esquerda) e da Lucky Aviation © Fotografia por: Luís Damião | Edições Novembro

Assinado pelo presidente da Comissão Executiva da TAAG, Eduardo Soria, e o re-presentante da Lucky Aviation, Tongxi Li, o acordo tem implementação imediata, com a primeira das duas ligações semanais previstas e marcada para a partir de hoje, em voos operados por um Boeing 777-200 ER com capacidade de 76 toneladas da companhia angolana.

A carga é constituída por matéria-prima agrícola, material de electrónica, logística, vestuário e bens diversos, de acordo com Eduardo Soria, que destacou em declarações à imprensa o potencial do acordo para a diversificação das fontes de receita da TAAG.

Segundo o presidente executivo da TAAG, tendo em conta a falta de espaço para manejar os volumes de carga no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, o Novo Aeroporto Internacional de Luanda (NAIL) será também uma aposta para estes serviços.

O representante da Lucky Aviation destacou o valor contratual do projecto pelos 600 milhões de dólares previstos em três anos de operação e geração de mais de 200 postos de trabalho directos nos aeroportos angolanos.

A china Lucky Aviation , destacou , é uma empresa chinesa de serviços de aviação especializada em negócios de passageiros e carga que tem acordos estáveis com mais de 20 companhias aéreas em todo o mundo.

A cooperação com a TAAG, considerou Tongxi Li, dá expressão logística à dinâmica das ligações económicas entre Angola e a China, anunciando como próxima etapa do acordo, a entrada da parceria no transporte de passageiros nos três destinos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia