Mundo

Sudão: União Africana suspende Cartum na sequência do golpe militar

A União Africana (UA) anunciou hoje a suspensão do Sudão de todas as atividades da organização "até ao restabelecimento efetivo da Autoridade Transitória liderada pelos civis", dissolvida na segunda-feira após um golpe de Estado liderado pelos militares.

27/10/2021  Última atualização 15H53
© Fotografia por: DR

A organização pan-africana divulgou uma declaração em que "condena firmemente a tomada do poder pelo exército sudanês (...) e a dissolução do Governo de Transição, e rejeita totalmente a mudança inconstitucional de governo", descrita no texto como "inaceitável" e "uma afronta aos valores partilhados e às normas democráticas da UA".

A UA "congratula-se com a libertação do primeiro-ministro" Abdallah Hamdock, preso na segunda-feira de manhã pelos militares e libertado na terça-feira à noite, e "apela à libertação total e incondicional de todos os detidos, incluindo ministros e outros funcionários civis".

A organização anuncia ainda o envio de uma "missão ao Sudão para dialogar com todas as partes, com vista a encontrar uma solução amigável para o atual impasse político".

Estas decisões foram tomadas numa reunião esta terça-feira do Conselho de Paz e Segurança, o órgão responsável pelos conflitos e questões de segurança no seio da UA.

O general Abdel Fattah al-Burhan, chefe das Forças Armadas sudanesas, anunciou na segunda-feira na televisão estatal do país a dissolução do governo e do Conselho Soberano -- o mais alto órgão executivo do país --, a suspensão de vários pontos da carta constitucional aprovada em agosto de 2019 e que estabelece um roteiro para a realização de eleições, e a instauração do estado de emergência.

A tomada de poder pelos militares foi amplamente condenada pela comunidade internacional.

A União Africana suspendeu o Sudão dos seus corpos em junho de 2019, após a queda do ditador Omar al-Bashir, em abril desse ano, e voltou a reintegrá-lo três meses depois, quando Abdallah Hamdock anunciou a formação do novo governo de transição.


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo