Economia

Sonangol eleva o stock de combustíveis no país

A Sonangol declarou ter um stock de combustíveis em 25 por cento superior às disponibilidades médias nesta altura do ano, em que a celebração do Natal e Ano Novo elevam a mobilidade e o consumo, no que é considerado, na empresa, como uma antecipação ao aumento da procura que deve tranquilizar o mercado.

31/12/2020  Última atualização 12H25
Pressão sobre os postos dá a falsa ideia de escassez
O director de Comunicação da Sonangol, Dionísio Rocha Júnior, que ontem prestou estas declarações ao Jornal de Angola, admitiu um aumento da pressão sobre os postos de abastecimento de combustíveis que conduz à falsa percepção da existência de dificuldades no aprovisionamento, algo que o responsável descartou de forma veemente.
As filas que se verificam nos postos de abastecimento, disse Dionísio Rocha Júnior, explicam-se por os consumidores tenderem a abastecer-se nos mais próximos dos locais de habitação que, em Luanda, são mais populosos nos bairros situados à volta do centro da cidade.Não sendo errado, a fonte considera que a opção por outros postos de abastecimento que pode servir de alternativa àqueles de maior proximidade no caso destes se apresentarem com uma procura acima da média, principalmente para os postos do sul de Luanda, onde pode se registar uma maior sobrecarga em comparação com os localizados nas no centro e norte da cidade. 

No Uíge, Cunene e algumas outras províncias fronteiriças, de onde surgem notícias dando conta de preocupações sobre uma hipotética escassez de combustível, a companhia considera estar-se diante da exacerbação de "aspectos operacionais muito pontuais que podem ocorrer devido à  grande pressão a que os equipamentos estão sujeitos no processo de aprovisionamento ao país”.

Nessas regiões, sublinha, "há combustível suficiente e até acima da média para satisfazer as necessidades dos consumidores”, estando os constrangimentos muitas vezes reportados relacionados com reacções aos esforços conjuntos que a empresa está a desenvolver com os órgãos de Defesa e Segurança para a neutralização de comportamentos especulativos e do contrabando.Dionísio Rocha Júnior afirmou que esses esforços têm resultado na detenção de envolvidos  na especulação e contrabando, numa flagrante prova de que "o crime não compensa”.

A cooperação com os órgãos de Defesa e Segurança visa a eliminação da especulação e contrabando de combustíveis tais práticas e "começa a ter um efeito positivo, devendo resultar numa  redução assinalável do combustível contrabandeado para lá dos marcos fronteiriços do nosso país” e na queda do valor utilizado pela petrolífera da importação desses produtos, prevê o director de Comunicação da Sonangol.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia