Economia

Sodiam apresenta proveito de 29,8 milhões de dólares

Adérito Veloso

Jornalista

A SODIAM (Empresa Nacional de Comercialização de Diamantes de Angola) registou um lucro líquido de mais de 29,8 milhões de dólares norte-americanos, durante o exercício económico de 2021.

08/08/2022  Última atualização 09H32
Fábrica de lapidação de diamantes na Lunda-Sul cria empregos e contribuiu para o aumento das receitas © Fotografia por: Vigas da putrificação

A consultora Delloite & Touche-Auditores, Limitada destaca que o desempenho da SODIAM, referente ao exercício económico do ano passado está em conformidade com os "princípios contabilísticos geralmente aceites em Angola".

No seu "Relatório de Gestão e Contas 2021", a empresa indica que conta com um activo de mais de 402,48 milhões de dólares  e capital próprio de 174, 93 milhões.

No ano passado, a SODIAM registou um aumento significativo do lucro operacional, na ordem dos 100 por cento, devido ao incremento do nível dos preços de venda no mercado internacional e o aumento nos volumes de comercialização, por força da produção do projecto Luele.

Com estes resultados, avança o relatório, a empresa retoma a tendência de aumento dos "proveitos" similar à de 2018.


Comercialização

A empresa destaca no seu relatório de 2021 que, foram comercializados 8.929.574,59 quilates de diamantes brutos, dos quais 8.036.560,22 provenientes de depósitos primários/kimberlitos (90 por cento) e 893.014,37 quilates (10) de depósitos secundários/aluvião.

A produção industrial de diamantes representou 99,4 por cento, enquanto a artesanal/sami-indústrial 0,6.

No segmento industrial, 17 empresas realizaram vendas, com realce para a Sociedade Mineira do Catoca, que comercializou mais de 70 por cento. No ramo semi-industrial, 27 cooperativas comercializaram, onde 50 por cento da produção foi vendida pela Cooperativa Chitembo Tchalaza. 

Um total de 8.711.281,09 quilates foi o volume de diamantes brutos exportados, num valor de mais de 1,5 mil milhões de dólares.

Cerca de 79,93 por cento do volume exportado teve como destino os Emirados Árabes Unidos, seguido da Bélgica com 16,12 por cento, Índia (3,28) e o restante Israel, Hong Kong e Estados Unidos da América.

O volume de quilates exportados resultou na emissão de 216 certificados do Processo de Kimberley, dos quais 155 tiveram como destino os Emirados Árabes Unidos, com um valor global de mais de 1,23 mil milhões dólares americanos, representando cerca de 80,52 por cento.

 
Lapidação

O relatório da SODIAM destaca que as empresas de lapidação locais adquiriram 17.818,59 quilates de diamantes, a um preço médio de 1.078, correspondendo a um valor global de 19.218.703, 83 de dólares norte-americanos.

Estes resultados foram alcançados fruto das melhorias registadas no mercado internacional de diamantes, associada à entrada de novas fábricas de lapidação no Pólo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo (Lunda-Sul), durante o ano de 2021.

Comparativamente ao exercício económico de 2020, os indicadores apresentam um incremento de cerca de 113 por cento em volume adquirido, e aproximadamente 56 por cento em valor.

Do volume de diamantes brutos adquiridos, foram exportados pelas fábricas de lapidação 3.826,35 quilates, mais 1.323,15 que em 2020. Quanto ao valor dos quilates exportados, registou-se uma queda de cerca de 24 por cento.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia