Mundo

Senegal controla cinco bases rebeldes junto à fronteira com Guiné-Bissau

O exército senegalês anunciou hoje ter tomado o controlo de cinco bases dos rebeldes do Movimento das Forças Democráticas de Casamança (MFDC) no sudoeste do país, junto à fronteira com a Guiné-Bissau, durante operações que começaram em Maio.

14/06/2021  Última atualização 17H55
Exército senegalês, controla cinco bases rebeldes © Fotografia por: DR

"As operações em curso permitiram a conquista das bases do MFDC na fronteira sudoeste, principalmente em Ahinga, Badem, Bagam, Bouniack e Djileor", anunciou o coronel Souleymane Kandé, comandante na área intervencionada, numa declaração citada pela agência Efe.

"O principal objectivo desta operação era criar as condições para o regresso seguro da população ao seu território de origem", acrescentou oficial do exército senegalês, em declarações divulgadas pelo portal de notícias Seneweb.

A operação deixou dois militares feridos, um oficial que pisou uma mina antipessoal e um soldado baleado, fez saber um comandante local, tenente-coronel Mathieu Diogaye Sene, em declarações aos jornalistas em Ahinga, a poucos quilómetros da fronteira, citado pela agência France Presse.

A última intervenção, iniciada em 30 de maio na floresta de Bayottes - utilizada como base pelos rebeldes - na comuna de Nyassia, localizada no departamento de Ziguinchor, "desencadeou uma operação de segurança em grande escala para melhor controlar a fronteira com a Guiné-Bissau através da criação de postos militares", especificou Kandé.

"Têm sido cometidos vários abusos contra a população nesta zona. Os bandos armados, com atos de extorsão, procuram garantir simplesmente o direito exclusivo à exploração dos recursos florestais", acrescentou o militar.

O exército senegalês realizou outra operação no final de Janeiro, em que assumiu o controlo das últimas quatro bases históricas do MFDC no sul do país, na fronteira com a Guiné-Bissau.

O objectivo foi neutralizar elementos armados que se refugiam na zona, permitir o regresso das pessoas deslocadas pela insegurança e combater as actividades ilegais dos bandos armados.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo