Desporto

Selecção Nacional Masculina regressa às vitórias nas Olimpíadas de Xadrez

JA Online

Angola regressou às vitórias no quadro masculino, na última segunda-feira, frente a Barbados, por 3-1, em Chennai, na Índia, nas Olimpíadas de Xadrez.

09/08/2022  Última atualização 13H18
© Fotografia por: chessolympiad.fide.com
Na mesa 1, o Mestre Fide, Sérgio Miguel jogou com as peças pretas contra o Mestre Fide, Justin Blackman com as peças brancas, numa partida em que o jogador de Barbados recorreu à famosa Abertura Italiana, com peão para e4 seguindo de cavalo para f3 e bispo para c4. Mas o angolano estava preparado tendo respondido de forma sólida e levando o adversário a aceitar o empate ao cabo de 30 jogadas. 

Na mesa 2, Vanderson Dias teve pela frente Emar Edwards, que escolheu usar a Defesa Sciliana. Peão para e 4 foi o lance escolhido pelo xadrezista nacional, tendo sido respondido com peão para c5, a abertura seguiu um ritmo equilibrado, com os dois jogadores a lutarem pelo controlo do centro e o avanço das peças em território do oponente.

 No 22.º lance, Emar avançou peão de h6 para h5 favorecendo Vanderson, que aproveitou para estabelecer o controlo na ala do rei e expor a dama preta aos seus ataques. Daí em diante, o angolano consolidou a vantagem,  utilizando somente 5 minutos do tempo de jogo e triunfando contra o oponente depois de 52 lances. 

Na mesa 3, o Mestre Fide, Domingos Júnior empatou com Justin Parsons, o jogo foi marcado por reviravoltas atrás de reviravoltas. O xadrezista da formação insular atacou com tudo e até obteve posições superiores em vários momentos do duelo, mas fruto da experiência do angolano, viu os planos serem mudados, e Domingos conseguiu levar a partida a uma posição equilibrada em que ambos jogadores concederam um empate ao repetir 3 vezes a mesma posição. 

Na mesa 4, o Candidato a Mestre, Amaro Lutuima venceu contra Adam Roachford, num duelo em que a agressividade do xadrezista nacional ficou bem à mostra e isso rendeu frutos, tendo utilizado uma abertura facilmente refutável em confrontos clássicos, uma variante da Abertura Italiana, Gambito Evans, onde após peão para e4, cavalo para f3 e bispo para c4, as brancas prosseguem com peão para b4 onde este sacrifica um peão em prol de maior actividade das outras peças.

Esta é uma escolha facilmente refutável se as pretas estiverem a par das armadilhas, mas neste embate revelou-se uma estratégia vitoriosa, permitindo a Amaro garantir o ponto para o nosso combinado.

Nesta sessão da décima jornada, o Mestre Internacional, David Silva descansou pela segunda vez consecutiva.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Desporto