Cultura

Secretário-geral da UNAP considera data para reflexão

Francisco Pedro

Jornalista

Os artistas plásticos comemoram hoje o Dia Mundial da Arte, uma efeméride que, no país, vai ser comemorada pela primeira vez, embora a data tenha sido instituída há 10 anos, pela Associação Internacional de Arte e reconhecida pela UNESCO.

15/04/2022  Última atualização 08H35
Fernandes Carvalho “Tozé” (segundo à direita) com os artistas plásticos Mpambukidi (à direita), Fineza Teta e Adão Mussungo © Fotografia por: DR

O secretário-geral da União Nacional dos Artistas Plásticos (Unap), Fernandes  Carvalho "Tozé”, considera o 15 de Abril como uma data de reflexão de maneira que a arte seja vista como elo de consciencialização quer dos criadores, quer do público consumidor que a contempla.

Em 2012, a Associação Internacional de Arte (IAA) instituiu o Dia Mundial das Artes como forma de consciencializar sobre a importância da actividade criativa e a promoção da arte em todo o mundo.

Para o secretário-geral da Unap, a data serve de reflexão porque a arte "une etnias, povos e culturas”, fruto da linguagem universal que lhe caracteriza.

Na sua óptica, o país devia oferecer condições que permitissem às instituições artísticas organizar actividades com o fim de se despertar a consciência de toda a sociedade sobre a importância das artes, por meio de debates e conferências, de maneira a criar maior interesse e respeito pelo conceito artístico.

"A arte está estreitamente ligada à cultura e às manifestações de várias expressões do sentimento humano e do intelecto”, realçou o pintor, actualmente, dirige a Unap.

A data  -  15 de Abril - foi comemorada pela primeira vez em 2012, em homenagem ao nascimento de Leonardo da Vinci, um dos principais nomes do Alto Renascimento e um dos artistas mais completos de todos os tempos, considerado símbolo da liberdade de expressão e do multiculturalismo.

Neste dia, celebram-se as belas-artes, um pouco por todo o mundo e por todas as entidades internacionais relacionadas com a temática. O Conselho Executivo da UNESCO decidiu que o Dia Mundial da Arte deve ser comemorado, sempre que possível, com jornadas internacionais. 

Festejos em Luanda

O Hotel Globo, na baixa de Luanda, acolhe a partir de hoje a exposição colectiva, "Kimba - Modernidade Fantasma”,   que junta obras de Edson Chagas, Toy Boy, Wyssolela Moreira, Nelo Teixeira, Irad e Kiluanji Kia Henda. A exposição é organizada pela galeria Pop-Up, da Jahmek-Contemporary Art, em  parceria com a Big Media e Refriango, para comemorar o 15 de Abril, Dia Mundial da Arte.

 A exposição propõe uma reflexão sobre processos de experimentação e o potencial dos aspectos imateriais da arquitectura e do espaço vivido, sobre as sobreposições espácio-temporais que carregam e que infundem lugares, objectos e situações com uma memória cultural, e que se articulam em formas, linguagens e estéticas distintas. No seu conjunto, as obras extrapolam a simples crítica à estrutura abandonada, e representam o potencial latente de espaços como o prédio "treme-treme”, na Baixa de Luanda.

Ontem, a galeria Pop-Up - reaberta no espaço do hotel Globo - e a rede Big Media realizaram uma conferência de imprensa, às 11h00, no Hotel Globo, para a divulgação do projecto "Primeira Galeria de Arte Urbana Digital do Mundo”, que junta 23 obras em formato digital.

Para Mehak Vieira, co-fundadora da Jahmek Contemporary Art, este projecto resulta de uma colaboração que se poderia dizer improvável. "A arte normalmente está alienada das marcas, porém, nos últimos anos, temos visto cada vez mais trabalhos de colaboração entre marcas comerciais e artistas”, disse a galerista Mehak Vieira. Mehak  referiu que, "hoje temos não só artistas representados pela Jahmek, mas também artistas que acreditamos que representam a nova geração de arte angolana.”. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura