Sociedade

Seca afecta mais de 300 mil famílias em quatro províncias

Pelo menos 333.163 famílias ficaram afectadas pela seca que assola as províncias do Cunene, Cuando Cubango, Huíla e Namibe, informou, ontem, o secretario de Estado do Interior para o Serviço Penitenciário, José Bamóquina Zau.

01/12/2019  Última atualização 09H40
Alberto Pedro | Edições Novembro © Fotografia por: José Zau promete, a médio e curto prazos, formar e qualificar quadros em diversas especialidades em matéria de protecção civil

O governante, que falava ontem durante o acto alusivo aos 38 anos da institucionalização do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros(SNPCB), disse que a seca também afectou dois milhões 246.050 cabeças de gado bovino e um milhão e 200 mil de caprinos e ovinos. 

O secretário de Estado do Interior informou que, de Maio a Outubro deste ano, a Comissão Nacional de Protecção Civil arrecadou 1.574,7 toneladas de bens diversos para apoio às vítimas da seca.
José Bamóquina Zau reconheceu, por outro lado, existirem progressos na execução de tarefas acometidas ao Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, mas lembrou que, apesar dos esforços, as acções não foram atingidas no sentido de se obter melhor eficácia no funcionamento da corporação.
Neste contexto, o governante espera, a médio e curto prazos, formar e qualificar quadros nas mais diversas especialidades em matéria de protecção civil e bombeiros, capazes de corresponder aos desafios do momento.
Acrescentou que a capacitação de quadros, na utilização das novas tecnologias de informação, assim como a valorização do género e aposta nos efectivos mais jovens, deve constituir um dos desafios da corporação.
O secretário de Estado do Interior defendeu, ainda, a construção de mais infra-estruturas de Protecção Civil e Bombeiros a nível nacional, tendo em conta as autarquias e o nível de crescimento das cidades, distritos e municípios do país.
Informou que o Ministério do Interior está a trabalhar na melhoria das condições sociais e de trabalho dos efectivos, sendo que todos os esforços têm sido feitos de modo a alocar meios técnicos que possibilitem corresponder aos desafios dos serviços de bombeiros.
O governante defendeu o estreitamento dos laços de cooperação com os Estados- membros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), face à globalização e aos desequilíbrios demográficos, fragilidades sociais, alterações climáticas e aos riscos de desastres no mundo.
José Bamóquina Zau considerou fundamental manter, com outros países, o intercâmbio de experiências e perícias de harmonização dos padrões de formação e de actualização técnica, assim como garantir a prontidão das forças para intervirem em qualquer Estado-membro da SADC e da CPLP, onde se registarem desastres ou calamidades naturais, quando solicitadas.

Registados mais de mil mortes em acidentes de viação e incêndios

Um total de 5.018 ocorrências, dos quais 2.256 incêndios de pequenas e médias proporções, 528 afogamentos e 510 acidentes de viação com vítimas encarceradas, foi registado no país, de Janeiro a Outubro deste ano, pelo Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, revelou ontem, em Luanda, o comandante da corporação.
Ao intervir no acto das celebrações dos 38 anos daquele órgão do Ministério do Interior, o comissário-chefe Bênção Mateus informou que dos incêndios e acidentes de viação resultaram em 1.054 mortos e 1.231 feridos.
O oficial comissário disse que, das ocorrências dos incêndios, os sectores mais afectados são os habitacional, com 1.087, e do ambiente com 468 casos. Face à situação, que considera preocupante, prometeu incrementar o trabalho preventivo mediante a realização de inspecções, vistorias, revisão de medidas, que serão feitas através de campanha de educação e sensibilização das populações, e de visitas pré-operativas.
Entre as medidas, constam também a realização de cursos de formação de brigadas contra incêndios, melhoria da coordenação de trabalho com outras forças congéneres e o cumprimento das normas relativas à assistência, além da manutenção e manuseamento dos meios técnicos de socorro e de combate contra incêndios.
Bênção Mateus disse ainda ser necessário desenvolver a cultura participativa de prevenção de riscos de desastres, através de acções de sensibilização da população. Lembrou que, de Janeiro a Outubro, a Escola Nacional de Formação de Bombeiros ministrou 13 cursos, com a participação de efectivos em diversas especialidades.
A formação serviu para melhorar a eficácia do trabalho de prevenção e combate contra incêndios e outras calamidades naturais. Foram ainda realizados outros cursos de capacitação e de superação técnico-profissional a distintos níveis, com vista a potenciar os quadros.
O comandante bombeiro deseja ver concluídas, nos próximos tempos, as obras do Instituto Médio de Protecção Civil e Bombeiros em Benguela, referindo que, com a sua implementação, permitirá o convénio entre o Ministério do Interior e o da Educação, na adequação dos programas curriculares e a equivalência dos cursos ao nível médio de escolaridade.
Para o responsável, a criação de condições sociais, psicológicas, morais e físicas de trabalho para o efectivo fará com que o mesmo se sinta confortável no cumprimento das tarefas de defesa da vida humana e seus bens.
Neste ano, 38 efectivos fpassaram à reforma e alguns deles receberam certificados de mérito, como forma de reconhecimento pelo desempenho ao longo do período em que serviram a corporação.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade