Mundo

Sarkozy recorre da condenação por financiamento ilegal de campanha

O ex-Presidente francês Nicolas Sarkozy disse, ontem, durante um evento que “as pessoas não se deixam enganar por nada”, dois dias após ser condenado a um ano de prisão por financiamento ilegal da sua campanha presidencial em 2012.

03/10/2021  Última atualização 09H38
Antigo Chefe de Estado francês responde na Justiça © Fotografia por: DR
O ex-Chefe de Estado francês, que anunciou que vai apelar da decisão do tribunal, esteve presente num evento numa livraria do 16º bairro de Paris, onde cerca de 200 pessoas o aguardavam, dizendo para "aguentar”, ter "coragem” e que estavam ao seu lado.

"É muito comovente e ao mesmo tempo muito reconfortante ver o estado de espírito do país, sobre o facto de que as pessoas não se deixam enganar por nada (...). Elas entenderam”, declarou Sarkozy diante das televisões e fotógrafos. Esta foi a sua primeira declaração pública desde a condenação. Numa mensagem nas redes sociais, na quinta-feira, Sarkozy denunciou "a injustiça” cometida e prometeu ir até ao fim” para "continuar a luta tão necessária pela verdade e pela justiça”.

Sarkozy demonstrou-se feliz pela "amizade” e "apreço a título pessoal” manifestado, na quinta-feira, pelo actual Primeiro-Ministro francês, Jean Castex.

"Deixa-me muito feliz, não me surpreende nele, sou muito sensível a isso, tenho recebido milhares e milhares” de mensagens de apoio, declarou.

Questionado por um jornalista se havia recebido algum apoio do Presidente francês, Emmanuel Macron, Sarkozy disse: "Pergunte-lhe a ele, não cabe a mim dizer”.

Nicolas Sarkozy foi condenado, na quinta-feira, a um ano de prisão - que poderá cumprir em prisão domiciliária com pulseira electrónica -, sendo que ainda poderá recorrer da sentença.

Sarkozy foi condenado por ter gasto quase o dobro do valor máximo legal (22,5 milhões de euros) na candidatura à reeleição em 2012, que perdeu para o socialista François Hollande.

A nova condenação surge sete meses depois de Sarkozy ter sido condenado, em primeira instância, a três anos de prisão, um dos quais efectivo em prisão domiciliária, por corrupção e tráfico de influências, estando, no entanto, em liberdade até decisão do recurso interposto.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo