Mundo

Rússia deve ser responsabilizada financeiramente pela destruição do país

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pretende ver a Rússia responsabilizada financeiramente pelos danos que as Forças Armadas estão a infligir na Ucrânia, desde o início da invasão, salientando as cidades transformadas em ruínas pelos ataques russos.

21/05/2022  Última atualização 14H18
© Fotografia por: DR

O governante sublinhou esta sexta-feira que a Rússia deve pagar por cada casa, escola, hospital e negócio que destruir.

E defendeu que deve ser criado um mecanismo legal para que todos os que sofreram com as ações da Rússia possam receber uma compensação.

O chefe de Estado da Ucrânia salientou que, esta sexta-feira, o Exército russo disparou um míssil na região de Kharkiv, no nordeste, que destruiu um centro cultural em Lozova.

Mais cedo, através de uma mensagem na rede social Telegram, o Presidente ucraniano afirmou que "os ocupantes [russos] identificaram a cultura, a educação e a humanidade como seus inimigos", contra os quais "não estão a poupar mísseis".

Segundo o chefe de Estado ucraniano, o ataque resultou em sete feridos, incluindo uma criança.

Os ataques russos também atingiram as cidades de Odessa, no sul, Poltava, no leste, e Zhytomyr, no oeste, sublinhou, no seu discurso diário em vídeo, dirigido à nação.

Na região do Donbass, no leste da Ucrânia, onde os ataques russos estão concentrados, as forças de Moscovo transformaram as cidades de Rubizhne e Volnovakha em ruínas, tal como fizeram em Mariupol e estão a tentar fazer em Severodonetsk, alertou Volodymyr Zelensky.

As autoridades ucranianas tinham divulgado esta sexta-feira que pelo menos 13 pessoas morreram numa ofensiva militar lançada na quinta-feira pelas forças russas, numa tentativa de tomar o controlo de duas cidades na província de Lugansk.

O chefe da administração militar regional de Lugansk, Serhiy Gaidai, afirmou na plataforma de mensagens Telegram que "o inimigo está a realizar uma operação ofensiva nas áreas de Lisichansk e Severodonetsk" e salientou que "em toda a região de Lugansk há mais de 60 casas destruídas".

As cidades de Severodonetsk e Lisichansk estão localizadas na província de Lugansk não controlada pela autoproclamada República Popular de Lugansk e é um dos principais alvos das forças russas.

A guerra na Ucrânia, iniciada em 24 de Fevereiro, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas  cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,3 milhões para os países vizinhos, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo