Mundo

Rússia desloca forças para exercícios conjuntos na Bielorrússia

A Rússia deslocou tropas do extremo leste do país para a Bielorrússia, onde vão participar em exercícios militares, indicaram esta terça-feira (18) responsáveis oficiais, o que implica uma nova concentração de tropas junto das fronteiras ucranianas.

18/01/2022  Última atualização 19H32
© Fotografia por: DR
O vice-ministro da Defesa, Alexander Fomin, indicou que estas manobras se destinam a fornecer uma resposta conjunta a potenciais ameaças externas por parte dos dois aliados, que mantêm estreitas relações políticas, económicas e militares. Fomin não especificou a quantidade de tropas e armamento envolvidos nos exercícios. Responsáveis ucranianos têm indicado que a Rússia poderá lançar um eventual ataque em várias direções, incluindo a partir de território bielorrusso.

Esta decisão militar deverá levar ao reforço dos já cerca de 100.000 soldados russos que os ocidentais indicam estarem estacionados perto das fronteiras ucranianas, e que consideram o prelúdio para uma invasão. A Rússia tem negado qualquer intenção de atacar o seu vizinho ex-soviético, mas pede garantias do ocidente de que a NATO não prosseguirá a expansão para outros países ex-soviéticos, em particular a Ucrânia e Geórgia, nem colocará as suas tropas e armamento nesses territórios.

Washington e os seus aliados rejeitaram firmemente os pedidos russos no decurso das negociações Rússia-EUA em Genebra na semana passada, e no encontro NATO-Rússia em Bruxelas. Fomin disse que estas manobras, que incluem um número não especificado de tropas provenientes do Distrito Militar do Leste, que engloba a Sibéria oriental e o extremo-oriente russo, refletem a necessidade de concentrar na prática a quase totalidade do potencial militar do país nas regiões ocidentais da Rússia.

"Pode surgir uma situação em que as forças e meios de grupos ou forças regionais seja insuficiente para garantir uma sólida segurança da Federação [da Rússia], e devemos estar preparados para a reforçar”, indicou Fomin num encontro com adidos militares estrangeiros. "Chegámos a uma posição comum com a Bielorrússia sobre a necessidade de envolver todo o potencial militar para uma defesa conjunta”, adiantou.

O autoritário Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, indicou que as manobras conjuntas vão decorrer junto à fronteira ocidental do país e ainda no sul, a região fronteiriça com a Ucrânia. O líder de Minsk tem procurado um crescente apoio do Kremlin na sequência das pesadas sanções ocidentais, aplicadas após a musculada repressão dos protestos internos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo