Mundo

Rússia critica comentários de Biden sobre crise ucraniana

A Presidência russa (Kremlin) acusou, ontem, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de comentários “desestabilizadores” ao ter “prometido” a Moscovo um “desastre” em caso de um ataque militar na Ucrânia.

21/01/2022  Última atualização 07H15
Presidente norte-americano diz que Rússia arrisca-se a “a um desastre” em caso de ataque © Fotografia por: DR
"As declarações repetem-se sem cessar e não contribuem em nada para o apaziguamento das tensões actuais. (As declarações) contribuem mais para desestabilizar a situação”, disse aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, numa reacção às declarações feitas, na quarta-feira, por Biden numa conferência de imprensa em que assinalou o primeiro ano do seu mandato, que se cumpriu quinta-feira (20).

As declarações de Joe Biden "podem vir a suscitar esperanças totalmente falsas nas 'cabeças quentes' de alguns representantes ucranianos (...) e que podem vir a tentar tratar do problema no Sudeste da Ucrânia através da força”, disse ainda Peskov.
O Presidente norte-americano prometeu um "desastre para a Rússia” em caso de ataque contra a Ucrânia.

"Se eles invadirem vão pagar por isso”, disse Biden, referindo-se a sanções bancárias sem precedentes e à impossibilidade de serem efectuadas pelos russos transacções em dólares norte-americanos. Biden falou também dos riscos "pesados” no que diz respeito a "perdas humanas” no campo de batalha.

A Rússia destacou nos últimos meses dezenas de milhares de soldados para as zonas de fronteira com a Ucrânia, manobras que aumentaram os receios sobre uma potencial invasão.

Moscovo desmente as intenções bélicas, mas o Kremlin pede garantias escritas de que o Governo de Kiev não vai aderir à Aliança Atlântica.

  Moscovo pede fim de "provocações do Ocidente”

 A diplomacia russa pediu, ontem, o fim da campanha anti-Moscovo sobre especulações acerca de um ataque contra a Ucrânia, acusando o "Ocidente” de estar a tentar esconder as próprias provocações, incluindo, iniciativas militares.

"O objectivo desta campanha é criar uma 'cortina' informativa para preparar provocações de envergadura, incluindo de carácter militar e que podem ter consequências trágicas para a segurança regional e global”, disse Maria Zajarova, porta-voz da diplomacia russa, numa conferência de imprensa em Moscovo.

De acordo com Zajarova, os temores de Moscovo "são confirmados” pelas últimas notícias sobre o envio de armamento dos países ocidentais para a Ucrânia.

"Há vários dias que o Reino Unido envia armamento para a Ucrânia e aviões de transporte militar. Realizaram-se pelo menos seis voos e cada avião pode transportar até 77,5 toneladas de carga. Ou seja, 460 toneladas de armamento”, disse Zajarova.

De acordo com a porta-voz, nos últimos meses, os Estados Unidos enviaram para a Ucrânia 30 sistemas anti-tanque Javelin e 180 mísseis (para o mesmo sistema), tendo acrescentado que "segundo a imprensa” Washington pretende proporcionar a Kiev 30 milhões de dólares em armamento.

O Canadá disse que está a analisar as questões relacionadas com o envio de armas defensivas para o Governo ucraniano e o portal de notícias norte-americano Político informa que o Departamento de Estado dos Estados Unidos autorizou aos aliados bálticos a transferir "armas letais de fabrico norte-americano” para a Ucrânia.

"Em Kiev vê-se esta ajuda como uma 'carta branca' para que seja levada a cabo uma operação militar em Donbass (zona Leste da Ucrânia)”, sublinhou Zajarova, acrescentando que as Forças Armadas ucranianas "não param os ataques contra a população civil (russófona) do Leste do país”.

"Instamos os países ocidentais a parar com a campanha de informação agressiva contra a Rússia e a pararem com a militarização da Ucrânia. Em vez disso, deveriam fazer esforços directos para encorajarem Kiev a cumprir os Acordos de Minsk (para a paz em Donbass) e outras obrigações internacionais”, disse.

Após uma série de contactos que ocorreram na Europa, na semana passada, Moscovo e Washington mantêm, hoje, novos contactos diplomáticos, em Genebra (Suíça), sobre as ameaças de um novo conflito na Ucrânia.
O encontro vai reunir o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e o homólogo russo, Serguei Lavrov.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo