Cultura

Royal Plaza acolhe amanhã Gala do Herói Nacional

Analtino Santos

Jornalista

A Banda Movimento, Marimbeiros, Ballet Kilandukilo, Duo Canhoto, Dina Santos, Voto Gonçalves, Gelson Castro, Dom Caetano, Mirol, Selda Portelinha, grupo coral Adoradores de Cristo e a declamadora Luísa Fançony animam, amanhã, a partir das 19h00, a Gala do Herói Nacional, no Royal Plaza, no Talatona, onde estará patente uma exposição colectiva de artes plásticas.

15/09/2022  Última atualização 06H05
Duo Canhoto participa na gala que visa enaltecer a figura e obra de António Agostinho Neto © Fotografia por: João Gomes| Edições Novembro

A Gala do Herói Nacional tem como lema "Angolanos de Mãos dadas para o Futuro”, está enquadrada  no leque de actividades culturais que visam celebrar o centenário do nascimento do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto. O ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Zau, irá presidir à gala  .

O director nacional da Cultura,  Euclides da Lomba disse que a mesma se realiza  em torno da realidade, da convicção, da confirmação e da angolanidade centrada na figura de Neto.

"A gala está enquadrada no âmbito das actividades permanentes que o Ministério da Cultura realiza todos os anos e este ano acontece um dia antes do 17 de Setembro, data da celebração do centenário do Herói Nacional”, disse o também porta-voz da actividade.

Na primeira parte, disse, haverá a participação do grupo coral Adoradores de Cristo que entoarão o Hino Nacional e farão uma versão do "Caminho do Mato”. No seguimento, apresentam-se Duo Canhoto e Gelson Castro numa proposta de trova. No final deste momento, a Banda Movimento fará o acompanhamento de Mirol, Dina Santos e Selda Portelinha.

A jornalista Luísa Fançony, ao longo desta actividade, terá a responsabilidade de recitar poemas de Agostinho Neto. Na segunda parte, o Ballet Tradicional Kilandukilu exibirá uma obra de dança e teatro que retrata a vida e obra de Agostinho Neto. No encerramento, Dom Caetano e Voto Gonçalves serão chamados e, mais uma vez, a Banda Movimento fará o suporte instrumental.

Euclides da Lomba realçou que, este ano, Agostinho Neto, André Villas Lobo e Fernando Pessoa são personalidades que foram reconhecidas pela UNESCO, que valorizou as diversas iniciativas com o objectivo de homenagear o primeiro Presidente neste ano do seu centenário, com poesia e música, porque Agostinho Neto, era um homem de cultura, paz, serenidade e arte.

Do lado do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, as actividades estender-se-ão até Dezembro deste ano.

  Poesia e canto no Rangel

O Poeta dos Pés Descalços e banda Mazui Dya Musseky levam a poesia e canto amanhã, a partir das 20h00, na Casa de Cultura do Rangel "Njinga a  Mbande”, no âmbito do centenário de Agostinho Neto.

O Poeta dos Pés Descalços e a banda Mazui Dya Musseky vão apresentar em concerto poemas de Neto e outras peças poéticas e musicais do seu reportório.

À margem da noite de canto e poesia, haverá uma exposição fotográfica, que ficará patente até ao final deste mês.

O artista, que este ano celebra 20 anos, é um declamador que agora busca também a música como refúgio para os seus sonhos com a banda Mazui Dya Musseki.

Ângelo Reis é co-fundador do Movimento Lev’Arte. Em 2007, participou na antologia de poemas "Palavras”, que engloba diversos poetas angolanos. É autor de três álbuns de poesia musical intitulados "O Casamento entre o Semba e a Poesia”, "Projecto o Fado e a Poesia” e "Memórias de Agostinho Neto”. Lançou, em 2015, a sua primeira obra de poesia intitulada "Um Dia Depois do Amanhã”, com a chancela da Editora Acácias.

 

Teatro em torno de Neto

No sábado e domingo, à mesma hora, a Casa de Cultura do Rangel acolhe a exibição dos espectáculos dramáticos  "Legado de Neto” e "Agir de Neto”, pelos grupos Etu Ngo Teatro e Ndanji Teatro, respectivamente.

"Legado de Neto” é uma obra que retrata o legado político, poético, social e cultural do Dr. António Agostinho Neto. A obra é uma rapsódia teatral, numa mistura etno-cultural. Uma viagem na poética à veia artística de Neto.

Já "Agir Neto”, encenada por Tomalunda Pedro, é uma peça que narra o caminho que um país sob jugo colonial teve que percorrer para alcançar a tão suada, esperada e desejada Independência, fazendo alusão o modo como cada um particularmente se empenhou para o efeito, tendo como o foco principal Agostinho Neto, e outros. Quem ousada e corajosamente, renunciou os caprichos da sua juventude em prol da Independência.     

  Festival artístico no Talatona

A quarta edição do Festival Artístico-Literário e Cultural de Talatona acontece, amanhã, a partir das 16h00, no Instituto Médio de Gestão Hoteleira "Francisco dos Santos”, sito no distrito urbano do Benfica, município de Talatona, em Luanda.

O festival, uma parceria com o grupo de teatro Twuizana, será preenchido com uma exposição de livros sobre o Poeta Maior, seguindo-se de uma projecção documental sobre "Vida e Obra de Agostinho Neto”, um recital de poesia e trova, com o grupo "Os Sublimes”, dança tradicional e momentos de teatro, com Twuizana.

As actividades inerentes ao festival serão encerradas na segunda quinzena deste mês, com uma acção de formação denominada "Arte e Cultura como promotoras de emprego”, a ser realizada no Complexo das Escolas de Arte (CEARTE) e terá como orador Nelson Augusto.

O festival, que visa homenagear o homem que em 1975 proclamou a Independência Nacional para todos os angolanos, aconteceu, pela primeira vez, em 2017, no CEARTE, tendo sido interrompido durante dois anos, em função das restrições da pandemia da Covid-19.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura