Política

Restos mortais do comandante da Marinha de Guerra repousam no Alto das Cruzes

Adelina Inácio

O Presidente da República, João Lourenço, rendeu, ontem, a última homenagem ao comandante da Marinha de Guerra Angolana, general Jorge Manuel dos Santos “Sukissa”, falecido domingo, por doença, em Luanda.

06/08/2022  Última atualização 08H25
Presidente da República, João Lourenço, esteve ontem nas exéquias do comandante da Marinha de Guerra Angolana © Fotografia por: Kindala Manuel | Edições Novembro

No Quartel General do Exército, onde decorreu a cerimónia fúnebre, João Lourenço cumprimentou a família, depositou uma coroa de flores sobre a urna e escreveu no livro de condolências que o general "era um cidadão abnegado e militar dedicado”.

De acordo com o também Comandante-em-Chefe, Sukissa comprometeu-se, desde muito cedo, com a causa da defesa da Independência, da soberania e da integridade territorial do país, desempenhando diversas funções de comando, direcção e chefia, com brio, dedicação e patriotismo invulgar que lhe granjearam o respeito e admiração da classe castrense e do povo angolano.

O Presidente da República escreveu, na mensagem, que o general Sukissa deixa um legado valioso que deve servir de inspiração para as novas gerações de militares e dos cidadãos, em geral, na perspectiva da disposição para a defesa abnegada do país e da contribuição para a sua estabilidade e desenvolvimento.

"Diante da perda de tão ilustre filho da pátria e nesta hora de luto e dor, inclino-me perante a sua memória e apresento à família enlutada e às Forças Armadas Angolanas as mais sentidas condolências”, sublinhou o Presidente da República.

 Fernando da Piedade Dias dos Santos

Depois do Chefe de Estado, seguiram-se outras homenagens ao comandante da Marinha de Guerra Angolana.

Para o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, Angola perdeu um grande combatente e, por isso, a memória deve ser honrada.

Disse que as gerações vindouras devem seguir os ensinamentos do comandante Jorge Manuel dos Santos "Sukissa”.

 Carolina Cerqueira

A ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, recordou o general Sukissa como um valoroso combatente pela liberdade e Independência da pátria.

 "Destacou-se nas Forças Armadas Angolanas, sobretudo, no cerco de 65 dias da cidade do Huambo em que ele mostrou ser um valoroso combatente, destemido e com grande espírito de patriotismo”, salientou.

Carolina Cerqueira disse que espera que a experiência do comandante Sukissa seja um exemplo para a juventude. Segundo a governante, os jovens devem encontrar nestas figuras históricas a força, coragem, patriotismo, determinação para construir uma pátria desenvolvida, democrática e justa para todos.

 Eugénio Laborinho

O ministro do Interior, Eugénio Laborinho, elogiou as qualidades do comandante da Marinha de Guerra Angolana, tendo destacado que o general Sukissa era uma pessoa disciplinada e cumpridora das tarefas incumbidas.

 Ernesto Muangala

O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, considerou perda irreparável a morte do general Sukissa.

"Venho representar a população da Lunda-Norte e informar que todos choram a perda deste grande filho de Angola", disse.

Ernesto Muangala lembrou que o comandante Jorge dos Santos "Sukissa” era uma pessoa muito dedicada e estudiosa, que depois da Independência se incorporou nas Forças Armadas Angolanas, não só nas Lundas onde combateu, mas por várias outras regiões do país.

 Luísa Damião

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, disse que o general sempre se destacou no cumprimento de várias missões confiadas.

Considerou o general "combatente da (pela) liberdade” que contribuiu para a estabilidade do país e deixa um valioso legado que deve servir de exemplo às novas gerações.

"É uma perda irreparável, porque era um comandante com invulgares qualidades humanas e sempre cumpriu com brio e dedicação todas as missões que lhe foram incumbidas”, disse, salientando que a melhor homenagem a ser feita ao comandante da Marinha é continuar a preservar a paz e colocar Angola na rota do desenvolvimento.

 Filho descreve "homem humilde”

Jorge dos Santos, filho do general Sukissa, disse que o general Jorge Manuel dos Santos era um homem humilde, simples e de refinada educação e que os seus feitos, marcaram a história da vida de todos da família.

Referiu que nos momentos mais difíceis mostrou sempre coragem. Entre muitas qualidades do general, Jorge dos Santos destacou o amor que nutria por todos que lhe eram próximos.

 Defensor dos valores militares

 

A mensagem  das Forças Armadas sublinha que o comandante Jorge Manuel dos Santos "Sukissa” foi um defensor acérrimo dos valores militares em que se destaca o patriotismo, o sentido do cumprimento do dever, da disciplina, civismo e entrega total à carreira militar.

O país, lê-se na mensagem, e as Forças Armadas Angolanas, bem como a família, em particular, perderam um notável filho, um exímio chefe que, inesperadamente, se ajusta à lista de tantos outros combatentes, que durante o longo e complexo processo de Luta pela Independência Nacional, pela Unidade e Reconciliação Nacional marcaram, de forma indelével, a história de Angola, deixando saudades e lembranças.

As homenagens decorreram no Quartel General do Exército e foram antecedidas de uma missa de corpo presente. Estiveram nas homenagens, entre outras individualidades, o  Vice-Presidente da República, ministros, deputados, procuradores e membros do Corpo Diplomático acreditados em Angola.

Num ambiente de dor, tristeza e consternação, o comandante da Marinha de Guerra foi, ontem, a enterrar no Cemitério do Alto das Cruzes, em Luanda.

O general Jorge Manuel dos Santos "Sukissa”nasceu a 9 de Junho de 1961, na província do Cuanza-Norte.

 

 

 


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política