Regiões

Resistência dos nativos para expulsar invasores

Quando os portugueses chegaram a Calulo, auxiliados pelos missionários católicos, entre os anos de 1890 e 1900, foi com a política amistosa de ajudar a população, entrando em contacto com os nativos que moravam no monte onde, actualmente, existe a Fortaleza de Calulo.

29/06/2021  Última atualização 05H15
© Fotografia por: DR
De acordo com o chefe de sessão de Promoção, Turismo e Cultura do Libolo, Contreiras Canhanga Muhongo, nos primeiros anos, os portugueses pediam aos nativos suplemento alimentar, como ovos, animais e legumes.


O pedido passou a ser depois uma obrigação para os sobas de cada bairro abastecerem de comida os portugueses.
Segundo o responsável, este motivo provocou,  de 1912 a 1914, a primeira guerra de resistência. Os nativos exigiam a retirada dos portugueses das suas terras. Devido à desorganização de alguns sobas, os invasores reprimiam facilmente  os donos da terra.


Ante a tenacidade dos nativos, entre 1914 e 1916  os portugueses resolveram dissimular o que se chamou "Pequena Paz”.
Enquanto durava a esse período, os portugueses  reforçavam-se com material de guerra e homens.


Em 1917, o regime colonial estabelece o estado de repreensão e pagamento obrigatório de impostos e trabalho forçado. "Com isso, os sobas dos bairros Mussende e das comunas dos Dambos, Quissongo, Mukongo e Cabuta coligaram-se em prol da defesa da terra, achando o ponto da "Pedra Escrita", local de intercessão do abastecimento militar dos portugueses estacionados na então Fortaleza Militar Portuguesa de Calulo.


A partir daí deu-se  início à segunda guerra de resistência de Calulo, que aconteceu de 1917 a 1932.
Contreiras Canhanga Muhongo acrescentou que os nativos usavam como material de guerra pedras,  "canhangulo", zagaias e um tipo de arma de fabrico artesanal, de nome "quiputula", formada simplesmente por um cano e, na falta de munições e pólvora, fabricavam ,artesanalmente, o material, usando pedaços de ferro, vidro, casca e raízes de árvore, fósforo, enxofre e salite.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões