Economia

Reserva Federal anuncia aumento das taxas de juro

A Reserva Federal (Fed, banco central dos Estados Unidos) anunciou, ontem, um aumento de 50 pontos-base nas taxas de juro, ou seja, meio ponto percentual, um aumento relativamente rápido (mais agressivo do que os típicos aumentos de 25 pontos-base) mas corresponde às expectativas que os analistas tinham manifestado nos últimos dias, tendo em conta que a inflação já superou os 8,0 por cento nos EUA e a taxa de desemprego está em apenas 3,6.

05/05/2022  Última atualização 07H50
© Fotografia por: Dr
A Fel atribuiu a subida das taxas de juro, a segunda que foi anunciada este ano, o impacto global da guerra na Ucrânia e de outros desafios na economia internacional que levaram, aliás, a uma taxa de crescimento negativa no PIB do primeiro trimestre, na maior economia do mundo. A taxa de juro de referência passou, assim, de 0,5 para 1,0 por cento, uma subida de 50 pontos-base que é a mais rápida desde 2000.

   Sanções ao petróleo   de Rússia provocam aumento dos preços   

 Os preços do petróleo chegaram a operar, ontem, em alta de 3,0 por cento, no mercado de Londres, onde o curso de Brent (de referência para as vendas angolanas) dispararam para 108,10 dólares por barril depois de a presidente da Comissão Europeia ter anunciado que o bloco vai acabar com as importações de crude russo.

Com o anúncio, o curso do Brent disparou 2,99 por cento, enquanto que a cotação do o West Texas Intermediate (WTI) de referência dos Estados Unidos, disparou 3,20 por cento, para 105,64 dólares.

As declarações de Ursula von der Leyen, proferidas ao anunciar um novo pacote de sanções à Rússia, apontam para acções em curso para, num prazo de seis meses, o bloco deixar de importar petróleo russo, o que levou os mercados a reagir com a valorização das entregas para Junho. Analistas consideram que o reforço das sanções teve um efeito inesperado, tendo em conta que a Rússia é o terceiro maior produtor e o segundo maior exportador do mundo, sendo, igualmente, um dos líderes globais no fornecimento de gás natural.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia