Economia

Reserva Alimentar mantém influência sobre os preços

Os preços de referência dos principais produtos da cesta básica baixaram em 36 por cento face a Novembro do ano passado, na semana entre 20 e 26 de Junho, sob a influência da activação da Reserva Estratégica Alimentar (REA).

05/07/2022  Última atualização 08H30
Preços da cesta básica no país com tendência para baixar © Fotografia por: edições novembro

Essa evolução contrasta com um crescimento médio, registado naquela semana, dos preços desses mesmos produtos de 25 por cento face a Novembro último, o que é atribuído ao impacto da guerra na Ucrânia, indicam dados ontem enviados pela REA às redacções.

Naquele período, o preço do saco de 25 quilos de  farinha de trigo passou para 8.200 kwanzas, diante dos 23 mil kwanzas de Novembro, e a mesma quantidade de fuba de milho para 6.025, face as 13.800.

O  valor de 50 quilos de açúcar caiu de 24.200 para 18.325 kwanzas, 25 quilos de arroz Thai de 11.737 para sete mil, e 12 litros de óleo de soja custam 11.300 kwanzas, menos de mil por litro.

O preço da caixa de coxas de frango de 10 quilos desceu  de 10.190 para 7.500 kwanzas e o do saco de 25 quilos de feijão Pinto baixou de 24 para 17 mil kwanzas, em preços  válidos para todo o território nacional.      

Ao contrário de Angola, no mercado internacional, verificou-se um aumento médio de 2,55  por cento dos preços, comparativamente à semana anterior.

A contracção dos preços, no mercado angolano, coincide com um ambiente de negócios caracterizado pela desaceleração da inflação que, em Maio, registou um crescimento de 0,93 por cento, marcando a primeira vez que se regista uma taxa mensal inferior a 1,0 por cento em vários anos.

Os números de Maio, os últimos publicados pelo Instituto Nacional de Estatística, declaram que a inflação caiu em termos homólogos (a 12 meses), situando-se em 24,42 por cento, um decréscimo de 0,52 pontos percentuais em relação à observada em igual período do ano anterior (Maio de 2021) e menos 1,37 que a variação homóloga de Abril.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia