Economia

Registados mais de 500 reclamações de consumidores de produtos da banca

Ana Paulo

Jornalista

A Associação Angolana de Defesa do Consumidor de Serviços e Produtos Bancários (ACONSBANC) registou, nos últimos dois anos - 2020 e 2021, um total de 575 processos de reclamações, dos quais 135 foram resolvidos.

28/07/2022  Última atualização 09H55
Comitiva do Banco Mundial aborda serviços bancários no país © Fotografia por: Eduardo Pedro | Edições Novembro

A informação foi avançada pela secretária geral da instituição, Stela Ferreira, à margem da reunião mantida com a representante e especialista em Protecção do Consumidor Financeiro do Banco Mundial, Diana Chacon.

Dos números registados, Stela Ferreira esclareceu que em 2021 o número de reclamações foi maior  em relação ao ano de 2020, com um cadastro de 525 processos, resultante da pandemia da Covid-19 que assolou o mundo e o país. Deste número, destacou, 115 foram resolvidos com sucesso. Já em 2020, a ACONSBANC registou apenas 50 processos, dos quais 20 foram resolvidos, o que totaliza  o global de 575 processos. 

No que toca aos tipos de reclamações, Stela Ferreira realçou que a mais elevada foi a fraude, ligados aos consumidores que estão inerentes a questões de burlas, e que muitas vezes, estão ainda sob investigação e com contas bloqueadas

Constituem ainda como principais reclamações por parte dos consumidores, as fraudes no  sistema Multicaixa Express que têm aumentado consideravelmente  fruto da transição que o mundo vive,  e os serviços prestados pelo Banco de Poupança e Crédito, que mais têm  levado à exaustão dos consumidores. 

A empatia que as instituições financeiras devem ter junto dos consumidores, e a falta da morosidade que existe no atendimento aos consumidores, constituem também uma das preocupações dos consumidores bancários. 

Por um lado, com relação aos dados registados no primeiro semestre deste ano, a secretaria-geral garantiu que os números não diferem muito em relação ao ano transacto, isto é, destacou, considerando o dever de informação e a falta da mesma existente nas instituições financeiras.

 Reunião com o Banco Mundial

Associação Angolana de Defesa do Consumidor de Serviços e Produtos Bancários, na reunião com a representante do Banco Mundial, representou as maiores preocupações, no sentido de alcançarem apoio e intervenção que for necessário junto do Banco Mundial.

Com relação ao programa de missão do Banco Mundial em Angola com as instituições bancárias nacionais, públicas e privadas, tiveram inicio no dia 19 de Julho do corrente mês. No decorrer da reunião, a especialista em Protecção do Consumidor Financeiro do Banco Mundial, Diana Chacon, informou-se sobre os principais desafios para aceder ao sistema financeiro, práticas do sector financeiro, que afectam os consumidores, ou algum fornecedor de produtos financeiros no país.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia