Política

Reformas permitem retoma do crescimento

João Luhaco | Moçâmedes

Jornalista

O membro do Bureau Político do MPLA, Manuel Nunes Júnior, afirmou, em Moçâmedes, capital da província do Namibe, que o seu partido tem força para vencer as próximas eleições, graças à implementação do processo de reformas, que está permitir retomar o crescimento, apesar da crise económica internacional e da pandemia da Covid-19, que afectaram o mundo, principalmente de 2020 a 2021.

16/05/2022  Última atualização 09H40
Acto político de massas em Moçâmedes juntou militantes, amigos e simpatizantes do MPLA © Fotografia por: Edições Novembro

"O presidente do MPLA, no âmbito da governação, está a dirigir um processo de reformas que está a permitir realizar muitas coisas boas, e em condições muito difíceis", disse, acrescentando que, por isso, "o líder merece todo "o nosso apoio e confiança". Referiu ser injusto ignorar a influência da crise económica e financeira internacional, assim como a influência da Covid-19, quando se apreciam os processos políticos desenvolvidos pelo MPLA e a governação do Executivo.

Manuel Nunes Júnior, que  se dirigia aos militantes, amigos e simpatizantes do MPLA no acto político de massas, realizado no sábado, em Moçâmedes, destacou que as reformas permitiram acabar com a impunidade, pertindo um impacto positivo na implementação das políticas públicas. A propósito, referiu que, agora,  "qualquer um de nós, não importa de quem se trata, se violar a lei, sabe que terá de responder, perante os órgãos de Justiça, pela sua infracção ou pelo crime cometido".

O político fez questão de sublinhar: "Ninguém se pode considerar  acima da lei. Isso é muito importante, porque numa sociedade onde impere a impunidade, não é possível haver desenvolvimento". O membro do Bureau Político do MPLA, Manuel Nunes Júnior, referiu que, durante os últimos 4 anos, o país vive de reformas, que tornaram possível equilibrar as contas públicas, superando o saldo negativo, quer  das contas internas como das externas.

"A nossa casa está arrumada", afirmou Nunes Júnior, tendo feito saber que, quando isso acontece, "nós podemos então receber as visitas de uma maneira mais apropriada". Assegurou que "isto quer dizer que os investimentos começaram a aparecer e o país iniciou o seu processo normal de crescimento".

Crescimento económico

Durante cinco anos, a contar de 2016, Angola estava numa situação de recessão económica, mas, desde o ano passado, retomou o crescimento normal, sendo que, a nota importante, é que a sua retoma não foi puxada pelo petróleo, mas sim por sectores como o da Agricultura, Pescas, Indústria, e outros, referiu. "Aquilo que sempre defendemos, ao longo de todos esses anos, que era preciso diminuir a nossa dependência dos recursos do petróleo, está agora a acontecer", sublinhou o também ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior.

Angola cresceu, "mesmo sem ter havido crescimento no Sector Petrolífero, até porque, no ano passado, o crescimento no ramo dos petróleos foi negativo".

A economia  angolana, continuou, de um modo global, cresceu, e vai manter neste caminho, nos próximos anos, permitindo que se reduza o desemprego, sobretudo no seio dos jovens. "Vamos ter mais empresas a funcionar, a pagarem melhor salário, e, assim, vamos melhorar as condições de vida das nossas populações, de  maneira geral, realçou o político.

Manuel Nunes Júnior disse que a Agricultura, que é um sector muito importante para a economia angolana, com grande desempenho no combate à pobreza, tem registado um "bom crescimento". Mesmo, em 2020, ano muito difícil para todos os países, particularmente para Angola, o Sector da Agricultura, segundo Manuel Nunes Júnior, cresceu 5 por cento, quando, no ano passado, registou uma percentagem de 3. O Membro do Bureau Político sublinhou a necessidade de se continuar com este crescimento, a fim de se resolver os problemas de desemprego que o país  ainda enfrenta.

 
Namibe com avanços significativos

Manuel Nunes Júnior destacou que a província do Namibe, que sempre foi uma região essencialmente piscatória, está a dar, agora, passos muito importantes, com realce na agricultura. Neste território, disse, a produção de cereais, de hortaliças e de tubérculos, como a batata doce e rena, triplicou a produção nos últimos dois anos, sendo um facto de "importância grandiosa". 

Referiu que a reabilitação da via Lucira (Namibe)-Benguela, que está já em curso, com a retoma do sector produtivo nas três províncias que integram o corredor da Região Sul, designadamente Namibe, Huíla e Benguela, vai oferecer condições para se dar um avanço maior no desenvolvimento, não só da agricultura e pecuária, mas também do turismo.

O membro do Bureau Político disse que, além da agricultura, a província do Namibe tem registado avanços significativos noutros sectores. "Só com as obras do PIIM, foi possível reduzir, em 60 por cento, o número de crianças fora do sistema de ensino, com a construção de mais salas de aulas", frisou. As acções desenvolvidas no âmbito do PIIM, permitiram, também, proceder a construção de hospitais municipais, centros e postos de saúde, em todas as comunas e municípios desta província, pontualizou.

Foram construídas, também, as centralidades da Praia Amélia e do 5 de Abril, com 2 mil habitações cada, enfatizou, tendo admitido que ainda são insuficientes. "Temos de contribuir para minimizar as grandes carências da habitação, para melhorar a vida, principalmente a dos jovens",  sublinhou.


Cidade de Moçâmedes beneficia de fornecimento de energia solar

A província do Namibe vai benificiar de um projecto de exploração de energia solar, com capacidade de produzir 50 megawats, que, segundo o político, o processo de instalação vai iniciar este mês. A conclusão da primeira fase, a cidade de Moçâmedes vai contar com um abastecimento eléctrico de 25 megawats. "Moçâmedes vai deixar de depender totalmente da energia térmica, que, além de ser muito cara, também faz muito mal ao ambiente", garantiu.

O membro do Bureau Político do MPLA, Manuel Nunes Júnior, fez saber que o Presidente da República, João Lourenço, já aprovou a construção de 43 pequenas barragens e represas, que vão ajudar a mitigar os efeitos da seca na província do Namibe, tanto para as pessoas como para o gado. Salientou que o programa "Kwenda",  na província do Namibe, tem contribuído na protecção das populações mais vulneráveis, sobretudo as afectadas pela seca. Dessa forma, cerca de 6 mil famílias, em mais de sete mil cadastradas, beneficiam dos recursos deste importante programa de combate à pobreza.

"Ontem, lançamos a primeira pedra para a construção do projecto de captação e ampliação do sistema de abastecimento de água da cidade de Moçâmedes, e, de acordo com a informação que nos foi prestada, o mesmo pode estar concluída nos próximos 12 meses", lembrou o político, para quem o sistema de captação de água representa a importância do conjunto de obras que estão a ser feitas, bem como o seu impacto na vida das populações, em todo o país.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política