Economia

Refinaria de Cabinda contrata trabalhadores

A Cabestiva, uma consultora de recursos humanos, começa, na terça-feira, a recrutar trabalhadores para a Refinaria de Cabinda, num processo que se estende até ao dia 7 de Outubro, a anteceder a conclusão das obras, em Dezembro deste ano.

23/09/2022  Última atualização 17H36
Equipamento importado é depositado na futura refinaria © Fotografia por: António Soares / Cabinda
Uma nota de imprensa enviada, esta quinta-feira, à nossa Redacção indica que, nesta fase, o processo incide sobre a selecção de candidatos para as áreas de Operações, Qualidade, Ambiente, Saúde, Segurança Operacional, movimentação de produtos, manutenção e serviços técnicos.

A habilitação aos postos requer candidatos com nacionalidade angolana, preferencialmente, com residência em Cabinda, e formação académica mínima equivalente ao ensino médio ou técnico equivalente nessas áreas.

É requerido o conhecimento da Língua Inglesa escrito e falado e de informática na óptica do utilizador, com as candidaturas a serem entregues de forma presencial nos dias úteis da semana (segunda a sexta-feira), entre as 9h00 e as 14h00, no seu estaleiro geral da Cabestiva, no bairro Simindele, ou ser enviadas por correio electrónico.

O documento adverte que as candidaturas estão isentas de qualquer custo e que nenhuma outra entidade foi solicitada para fazer recrutamento em nome dos proprietários do projecto.

Desde Março de 2021, a empreitada da Refinaria de Cabinda é realizada pela Odebrecht Engenharia e Construção (OEC), convidada pelos investidores britânicos da Gemcorp pela experiência em edificações do género.

Orçada em mil milhões de dólares, terá uma capacidade instalada para processamento de 60.000 barris por dia, após concluídas as suas três fases de implementação.  

Dados disponíveis dizem que as obras empregam cerca de 1600 trabalhadores, geralmente mão-de-obra local, com a fase operacional a gerar à volta de mil e 500 postos de trabalho entre directos e indirectos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia