Regiões

Recém-licenciados no Cuanza-Sul têm estágios garantidos pelo FAS

Casimiro José| Sumbe

O Fundo de Apoio Social (FAS), afecto ao Instituto de Desenvolvimento Local, rubricou, na semana finda, na cidade do Sumbe, um protocolo com o Instituto Superior Politécnico do Cuanza-Sul, que garante estágios para estudantes finalistas e recém-licenciados, com o objectivo de aliar os conhecimentos teóricos à prática, no quadro da implementação do Programa Nacional de Estágios Comunitários. 

28/11/2022  Última atualização 08H03
Licenciados têm agora a oportunidade de consolidar os conhecimentos teóricos à prática © Fotografia por: Casimiro José | Edições Novembeo | Sumbe

O referido protocolo de cooperação visa, também, proporcionar experiências de trabalho ao nível comunitário, como premissas de se familiarizarem às exigências do mercado de trabalho. 

A directora do FAS, Carolina Aguiar Sanito, explicou que o programa de estágios comunitários prevê previlegiar os finalistas que agreguem valor acrescido aos projectos ligados à promoção de acções de combate à pobreza, desenvolvimento rural e comunitário, protecção social, harmonização e coesão social. 

Os candidatos aos estágios terão que ter atenção especial aos programas de promoção da saúde pública e do saneamento básico nas comunidades da província, prevendo-se unir os conhecimentos académicos adquiridos ao longo da formação à componente de experiências práticas encontradas no mercado de trabalho. 

Carolina Sanito Aguiar enfatizou que a realidade actual mostra situações preocupantes, pelo facto de o processo de ensino e aprendizagem estar mais focado na componente teórica, em detrimento da prática. "A agregação da componente prática, aliada aos estágios profissionais e comunitários, constitui, para nós, a inversão da realidade que vivemos, em que a componente teórica suplanta a prática”. 

Por seu turno, o presidente do Instituto Superior Politécnico do Cuanza-Sul, Raimundo Kwaya, considerou o protocolo um instrumento há muito esperado, porque vai permitir reforçar os conhecimentos teóricos adquiridos pelos estagiários graduados, permitindo desenvolver acções práticas nas comunidades. 

Acrescentou que, com a assinatura do protocolo, está aberto o caminho para os jovens recém-licenciados encontrarem, com facilidade, o primeiro emprego, através do desempenho demonstrado durante o estágio. Trata-se da segunda fase de assinatura do protocolo, tendo o primeiro sido assinado em Março de 2021. 

Impacto do programa 

Estudantes finalistas, beneficiários do programa, consideram que o estágio constitui uma incubadora de conhecimentos, capaz de transformar a teoria à prática. 

Joice Maurício, licenciado em Agronomia, que frequentou a primeira fase do estágio comunitário, realçou a importância do projecto, devido aos conhecimentos que adquiriu. "Sinto-me lisonjeado por ter beneficiado do estágio, que permitiu consolidar os conhecimentos teóricos”. 

O licenciado aproveitou a ocasião para apelar aos futuros candidatos a se prepararem e ter presente as exigências que o mercado pede, como a pontualidade, resiliência, empatia, amor ao próximo e trabalho em equipa. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões