Economia

Realojamento viabiliza exploração de nióbio

A Administração Municipal de Quilengues, Huíla, está a registar moradores do perímetro de exploração no sector de Bonga, onde em breve arranca a extracção de nióbio, para a realojar num outro local e viabilizar o processo de exploração, noticiou a Angop.

01/08/2021  Última atualização 05H20
Operações em Quilengues na fase de prospecção © Fotografia por: Edições Novembro
A informação foi avançada, na sexta-feira, pelo administrador municipal, Adriano Pedro, que disse tratar-se de um mineral de grande importância que vai beneficiar a população local, sobretudo, dando outra vida ao município de Quilengues.

"A empresa Niobonga já fez a prospecção do mineral e dentro de pouco tempo vai se fazer a extracção, uma exploração que deve começar em breve”, frisou.

A Sociedade Comercial Niobonga, detentora dos direitos de exploração de nióbio em Quilengues, fez a prospecção durante dois anos e estava previsto o início da exploração no primeiro semestre deste ano, o que não aconteceu por estar a decorrer o processo de identificação das famílias que habitam o perímetro.

Em declarações anterior, em Dezembro último, Adriano Pedro disse que, depois da fase de prospecção, a empresa, que naquela altura empregava 136,6 milhões de dólares no projecto, aguardava pela normalização da situação criada pela pandemia da Covid-19 para iniciar as operações de extracção, até porque uma parte da força de trabalho expatriada não estava em Angola.

Antes, em Maio do ano passado, a Niobonga foi autorizada, por Despacho Presidencial publicado em Diário da República, a iniciar a exploração e pesquisa de nióbio na localidade de Bonga,

As operações de produção daquele que é considerado um dos minerais mais raros do mundo, ocorre na cordilheira de Bonga, numa área de 443,53 quilómetros quadrados com reservas de 19 milhões de toneladas.

O nióbio é usado no fabrico de turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, indústria electrónica e centrais eléctricas, sendo extraído pela primeira vez naquela zona do país.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia