Entrevista

“Queremos inserir a nossa empresa na Bolsa de Valores”

André Sibi

Jornalista

Fátima Almeida é uma angolana que apostou no mercado online há seis anos, vendendo roupas, calçados, electrodomésticos e outros produtos em todo o território nacional, através da plataforma Bayqi. Recentemente, foi eleita por uma organização internacional como “uma das 12 mulheres mais influentes do continente africano”

19/06/2022  Última atualização 06H40
Fátima Almeida angolana que apostou no mercado online © Fotografia por: DR

De que forma entra para o mundo dos negócios?

Sempre tive queda para os negócios. Durante a minha formação superior, em Londres, fotografava pessoas e casamentos, ao ponto de ganhar o prémio de melhor fotografia em 2018 pela Embaixada angolana no Reino Unido. Depois do galardão peguei no meu arquivo de fotografias e criei a revista  de moda "Like Magazine” na Faculdade Maxwell. Juntei todas as meninas que estudavam comigo e falavam português e começamos a trabalhar, até criar a nossa redacção nos corredores da Faculdade, ao ponto de produzirmos uma revista.

 

Que memórias tem desta revista?

A revista teve três edições. Na primeira edição, tivemos na capa a Neusa, uma cantora cabo-verdiana. Na segunda tivemos como rosto de capa a cantora angolana Chelsy Shantel e na terceira Nelson Freitas. Sempre que havia um evento noutra cidade pegava as revistas e levava para vender aos angolanos, bem como aos falantes de língua portuguesa.

 

Do ponto de vista financeiro a revista rendeu mais no formato físico ou digital?

A versão digital rendeu mais que a impressa porque os angolanos no estrangeiro compravam pouco. A versão digital da revista passou a render mais para a empresa, porque permitiu fechar negócios com marcas de referência mundial e que pagavam para publicarmos as suas marcas, razão pela qual afirmei que a minha veia empreendedora nasce justamente desses negócios.

 

Em que circunstâncias regressa a Angola?

A primeira vez vim para passear por algumas semanas. Em 2014, regressei a Angola a convite de um amigo para integrar um projecto, pois criamos uma empresa de marketing que prestava serviços a várias outras.

 

Como é que nasce a Bayqi? 

Nasce de uma aflição. Estava em digressão pelo continente africano, incluindo Angola. Na tentativa de prosseguir viagem, recebi um telefonema para regressar a Angola de modo a participar de um projecto de marketing. Se prosseguisse com a viagem, retomaria a minha revista e o mestrado em Bolsa de Valores na Columbia University, no Reino Unido, onde estava matriculada no mestrado. Ao aceitar o convite de regressar a Angola fiquei sem stock de roupa para participar dos vários encontros de negócios com os parceiros e pensei em usar um "blazer” diferente. Fui a uma loja para comprar e encontrei a peça a um custo equivalente a 300 dólares. Fiquei extremamente chocada com o preço, porque estava muito caro. Eu conhecia o verdadeiro preço do "blazer” na Europa, que rondava o equivalente a 50 dólares, entre 20 e 30 euros. De tanta disparidade de preços pensei em fazer alguma coisa para trazer as melhores marcas do Reino Unido a Angola  e a um custo mais  reduzido. E a única forma de fazer isso seria através de uma loja online. Nascia assim a ideia de criar a Bayqi.

 

A experiência da revista online ajudou?

Exactamente! (Risos...) Pensei que a única maneira que tinha para conectar o mundo era através de uma plataforma online. A experiência que trazia da revista online ajudou-me bastante para que apostasse numa loja virtual e não o contrário.

 

No princípio não era Bayqi?

Quando nasceu chamava-se "Compra aqui”, infelizmente alguém registou a sigla antes de nós. E esta pessoa mostrou interesse em negociar connosco a entrega da marca. Começamos a negociar, no entanto, no dia do fecho do negócio acabei por não ir ao encontro por um imprevisto, o que nos obrigou a adaptar a sigla para a actual configuração na língua inglesa, com uma grafia fora do comum para a nossa marca e ficou "Bayqi”.

 

Que desafios encontrou nos primeiros dias?

Em Angola, ninguém queria comprar no mercado digital. Encontrámos muita resistência. Mesmo as lojas não aceitavam fazer parcerias connosco para comercializar os seus produtos no mercado online. Fizemos muitos encontros com empresários angolanos mas sem sucesso. Não acreditavam em nós. Decidimos esquecer o mercado nacional e apostar no mercado internacional e acabamos por firmar a primeira parceria internacional com um fornecedor que revendia produtos da Zara e começamos a vender alguns produtos desta marca, com destaque para os sapatos.

 

Qual foi o investimento inicial?

Foi um valor significativo. Tivemos clientes que encomendavam os sapatos na sexta-feira, que chegavam no país na quarta-feira e na outra sexta-feira acontecia o casamento. Era um desafio desalfandegar os produtos para fazer entregas num curto espaço de tempo. Em 2016, chegamos a entregar cerca de 50 pares de sapatos por semana.

 

Além de Luanda a Bayqi faz entregas noutras províncias?

Apesar de Luanda ser o maior mercado, nós fazemos entregas nas 18 províncias. Em Angola, temos cerca de sete milhões de pessoas a utilizar a Internet, das quais três milhões e meio são activas. As estatísticas indicam ainda que em Angola, temos 17 milhões de pessoas a utilizar telefones. Acreditamos que Luanda tem a maior cifra de utilizadores activos da Internet.

 

Que avaliação faz do mercado online hoje?

Temos um mercado cada vez mais digitalizado. Sempre anunciei coisas do mundo digital que hoje constituem uma realidade e não tenho medo de afirmar que nos próximos cinco a dez anos teremos uma boa parte dos negócios a migrar para o mercado online e quem não se adaptar a esta realidade vai ficar para trás. Haverá o colapso de muitos negócios. Há muitos pequenos negócios que vão desaparecer. Em Angola, para se movimentar de um ponto para o outro é muito difícil e o mercado digital carrega esta vantagem de reduzir a mobilidade porque tudo te encontra em casa.

 

Será que todas as empresas vão ser obrigadas a criar plataformas digitais?

Não será necessário que todas as empresas tenham  plataformas digitais, basta que coloquem os produtos à disposição das plataformas existentes. Esta estratégia reduz inclusive até a estrutura de custos para os proprietários de produtos que precisam se preocupar apenas em produzir e fornecer a quem vai comercializar os produtos, que é o nosso caso. E estamos aqui para cooperar.

 

Com que especialistas tem vindo a trabalhar para se manter no mercado?

Os recursos humanos constituem a mola impulsionadora de qualquer organização. E tenho integrantes que estão comigo desde o princípio do projecto. Conseguimos criar uma cultura organizacional em que às vezes somos obrigados a mandar os trabalhadores para casa porque ficam na empresa até altas horas da noite. Na verdade, os negócios digitais são diferentes dos negócios online. O programador chega aqui e trabalha como programador. Já o contabilista precisa ser inserido no mundo digital. Deixa de fazer a contabilidade tradicional para fazer uma contabilidade moderna. Nós treinamos os nossos colaboradores. Ensinamos a se inserirem cada um dentro da sua área de actuação. Depois de três meses temos tido bons resultados. Nos próximos cinco anos, serão os próximos especialistas nesta matéria. A nível do país, a empresa conta com mais de 30 funcionários directos, sem contar os indirectos.

 

Qual é a carteira de negócios da Bayqi?

Hoje temos uma carteira de negócios bastante diversificada, pois contamos com mais de 2.500 produtos diversos, desde materiais de higiene, roupas, calçados, livros, bijuterias, perfumes e outros.  Temos uma parceria com o INEFOP (Instituto Nacional de Formação Profissional) e recebemos regularmente jovens para frequentar estágios profissionais. Alguns são remunerados pela nossa empresa e outros deixamos ao critério do parceiro.

 

O que representa a Super-hapy para a Bayqi?

O lançamento da super-hapy representa um passo importante, pois, além de produtos como electrodomésticos, sapatos e outros, vamos comercializar recargas, serviços de electricidade, transferência de dinheiro, em suma, uma gama de produtos e serviços à disposição do cliente.

 

Qual é o tempo útil necessário para entregar um produto em Luanda e no interior?

Para Luanda, as entregas são feitas no mesmo dia. Já para o interior do país varia de acordo com a localização geográfica da província. Ainda assim, pode levar três dias, uma semana, até mesmo duas semanas o máximo.

 

Além de Luanda que outras províncias se destacam nas compras online?

No top cinco, em termos de procura de serviços da nossa empresa, depois de Luanda, temos as províncias do Moxico, Benguela, Huíla, Uíge e Cabinda.

 

Que opinião tem sobre os serviços de Internet em Angola?

Angola tem uma Internet acessível, pois conseguimos Internet até com 100 kwanzas. O nosso maior problema é o acesso. Refiro-me ao equipamento para aceder à Internet e este equipamento chama-se "smartphone”, que é o principal problema na minha opinião, pois nem todos têm a capacidade para comprar um equipamento deste tipo.

 

Foi recentemente laureada por uma organização internacional que a coloca na lista das 12 mulheres mais influentes no continente africano. O que representa para si este reconhecimento?

Estive recentemente no Dubai, a convite da Câmara de Comércio e Indústria Angola/Dubai, para participar no "meeting” anual de investidores de todo o mundo e a Bayqi foi a única startup angolana presente no evento. Cada um de nós fez uma apresentação, passando em revista o potencial do país e muitos investidores internacionais ficaram surpreendidos com o volume do trabalho desenvolvido no país. Os parceiros não tinham noção que Angola tinha avao tanto assim no mercado   E oi justamente neste evento que, depois de apresentarmos a nossa empresa, no final passamos a integrar a lista das 12 mulheres mais influentes no continente africano. O prémio é um reconhecimento muito grande. É a primeira vez que saímos de Angola para fazer uma apresentação e somos reconhecidos, o que representa um voto de confiança das instituições internacionais, que acreditam que esta empresa, a curto ou médio prazo, pode se tornar uma empresa "Unicode”, isto é,  empresa que pelos indicadores pode vir a se tornar multimilionária.

 

Quais são as metas da Bayqi para os próximos anos?

Temos um conjunto de projectos em carteira, mas o destaque recai para a inserção da nossa empresa na Bolsa de Valores, conectar a África e o mundo, atingir um milhão de utilizadores. Nos próximos dias, vamos receber uma licença do BNA, que nos autoriza a actuar como uma instituição financeira não bancária. Vamos trabalhar para melhorar a logística, desenvolver parcerias com a banca, Epal, Edel e outros fornecedores de produtos e serviços.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Entrevista