Mundo

Quénia reforça segurança depois de alertas terroristas de França

O Quénia anunciou hoje que reforçou a segurança na capital, Nairobi, e em várias cidades do país, depois de ter sido avisado por serviços franceses e alemães da possibilidade de ataques contra ocidentais.

28/01/2022  Última atualização 13H36
© Fotografia por: DR

Polícias fortemente armados patrulhavam hoje as ruas de Nairobi e uma segurança apertada era também visível no exterior dos gabinetes governamentais, edifícios públicos e centros comerciais.

"Em relação ao alerta terrorista francês, asseguramos ao público que a segurança dos quenianos, incluindo as infra-estruturas essenciais, está a ser reforçada em todo o país, especialmente nas cidades", disse o porta-voz da polícia Bruno Shioso.

"Instamos os quenianos a permanecerem calmos e a partilharem com a polícia qualquer informação sobre actividades suspeitas", acrescentou o porta-voz.

A embaixada francesa no Quénia emitiu um aviso aos seus cidadãos contra um "risco de ataque nos próximos dias" em Nairobi, recomendando "evitar lugares frequentados por estrangeiros", tais como hotéis, restaurantes e centros comerciais.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês reiterou o "risco real" de ataques terroristas no Quénia contra locais públicos frequentados por estrangeiros.

Numa actualização na quinta-feira no seu portal na Internet, o ministério apelou ao "povo do Quénia para estar extremamente vigilante" e "evitar a frequência destes locais públicos nos próximos dias, incluindo este fim de semana".

A embaixada alemã emitiu um aviso semelhante aos seus cidadãos, enquanto a representação holandesa afirmou ter sido informada pelos franceses da possível ameaça, descrevendo a informação como "credível".

Desde a sua intervenção militar no sul da Somália em 2011 para combater islamitas radicais somalis, o Quénia tem sido alvo de vários ataques particularmente mortíferos, nomeadamente contra o centro comercial Westgate em Nairobi, em Setembro de 2013 (67 mortos), contra a universidade de Garissa (leste), em Abril de 2015 (148 mortos), e contra o complexo hoteleiro Dusit, em Nairobi, em Janeiro de 2019 (21 mortos).

Em Janeiro de 2020, o grupo al-Shebab, um movimento ligado à Al-Qaida, ameaçou o Quénia, avisando o país de que "nunca estaria seguro".

O contingente militar queniano é um dos maiores integrados na missão da União Africana na Somália (Amisom), que em 2011 expulsou a Al-Shebab de Mogadíscio.

Este grupo ainda controla grandes áreas rurais na Somália e realiza regularmente ataques na capital do país, Mogadíscio.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo