Economia

Quanten e FACRA projectam assistência a empresas locais

Um contrato de financiamento para facilitar o fornecimento de bens e serviços ao Projecto da Refinaria do Soyo é assinado entre a Quanten Consortium Angola e o Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA), nos termos de uma decisão tomada numa reunião extraordinária entre altos executivos do consórcio e do fundo institucional para apoiar as empresas locais.

31/07/2022  Última atualização 12H14
Quanten Consortium Angola e o Fundo Activo de Capital de Risco Angolano © Fotografia por: DR

Um comunicado emitido na sexta-feira indica que as partes concordaram em que, quando o projecto da Refinaria do Soyo adjudicar um contrato a uma empresa angolana local, o FACRA terá a responsabilidade de consignar capital próprio a essa companhia.

Depois desse processo, serão encaminhados à banca para complementaridade do financiamento e, caso necessário, a Quanten Consortium Angola apresentará garantias,  de modo a facilitar a concessão do crédito às empresas.  

No documento, as instituições asseguram que os detalhes do acordo estão a ser finalizados e o acordo será assinado em Luanda nos próximos três meses.

Na nota, o sócio-gerente da Quanten Consortium Angola, Segun Thomas, diz que a  Quanten Consortium Angola "sente-se honrada” por ter a oportunidade de ajudar as empresas angolanas locais a remover um dos maiores obstáculos ao sucesso empresarial, que é o acesso ao capital. 

Por seu turno, o coordenador da Comissão de Reestruturação do FACRA, Teodoro Poulson, acrescentou que "esta iniciativa permitirá ao FACRA cumprir com um dos seus grandes objectivos, que é alavancar as Pequenas e Médias Empresas a gerarem valor acrescentado e desenvolverem uma estrutura de receitas capaz de assegurar a  própria sustentabilidade”.

O Quanten Consortium Angola, LLC, vai construir, deter e operar a Refinaria do Soyo, enquanto o FACRA é um fundo público dedicado ao investimento em capital de risco e prestação de assistência técnica e de gestão estratégica às empresas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia