Economia

Provisões no comércio não detêm especulação

As condições da Estrada Nacional (EN) 230, que liga Malanje à Lunda-Sul, explicam os preços especulativos dos produtos da cesta básica naquela última província, onde fonte oficial afirmou que foram recebidas, nos últimos três meses, 65 mil toneladas de géneros, acima das necessidades de consumo.

15/12/2019  Última atualização 08H26
Angop

De acordo com o chefe de Departamento do Gabinete de Desenvolvimento Integrado e Económico do Governo Provincial, Job Camuamba, “a Lunda-Sul recebeu, nos últimos três meses, 65.896 toneladas de produtos da cesta básica, superando as necessidades de consumo calculadas em 37.183 toneladas e um aumento de 28.713 em relação a igual período anterior”.
Comerciantes atribuíram a subida dos preços de vários produtos, como arroz, açúcar e farinha de trigo, às condições da EN230, pejada de ravinas e buracos, com Tito João, um grossista, a declarar que, muitas vezes, produtos como ovos, farinha de trigo, açúcar e arroz degradam-se na via por causa das avarias dos camiões que transportam os bens sob chuvas fortes na estrada em mau estado.
Explicou que, as mercadorias, só chegam à província depois de 15 dias da partida da origem, em Luanda.
Em Outubro, apontou o comerciante, o saco de arroz de 50 quilos custava 9.500 kwanzas, um preço que, em Novembro, subiu para 13.500, enquanto o cartão de ovos passou de 1.800 para 2.400 kwanzas e o da caixa de coxas de frango ascendeu de 5.600 para 11 mil.
Job Camuamba insistiu que não há indicadores que apontem a escassez de bens da cesta básica, mas confirmou a especulação praticada por comerciantes.
Informou que foi criada uma equipa multissectorial que está a trabalhar na fiscalização dos preços dos produtos da cesta básica, porque, desde que entrou em vigor o Imposto Sobre o Valor Acrescentado (IVA), muitos agentes económicos têm especulado.Sobre o assunto, o governador provincial da Lunda-Sul, Daniel Neto, disse que a problemática da EN230 já foi remetida ao ministro da Construção e Obras Públicas e que, tão logo as condições estiverem criadas, as obras iniciam, ainda em 2020.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia