Especial

Projecções dão victória a José M. Neves

As primeiras projecções das eleições presidenciais em Cabo Verde, até às 22 horas de domingo (17), davam vitória a José Maria Neves, com 51 por cento dos votos, em 44 por cento das mesas escrutinadas até à altura, em todo o país.

18/10/2021  Última atualização 06H20
© Fotografia por: DR
O seu mais directo adversário, segundo as sondagens feitas durante a campanha eleitoral, Carlos Veiga, estava com 43 por cento dos votos. Os outros concorrentes não passavam dos dois por cento.

Estes resultados não davam ainda garantias de que José Maria seria o vencedor. Mais da metade das mesas de votos estavam ainda por escritinar até ao fecho desta edição.


A eleição
O índice de abstenção nestas eleições atinge a cifra expressiva de 58 por cento, menos seis por cento que a presidencial passada.

Cabo Verde deve, pois, conhecer hoje o novo Chefe de Estado, depois de ontem milhares de cidadãos terem votado no país e na diáspora.

Até ao início da noite de ontem, contavam-se os  eleitores em várias assembleias de votos na cidade da Praia. Não foi possível apurar se aquele cenário  se manteve até ao encerramento das urnas, às 22 horas locais (meia noite em Angola). Em  consequência, a abstenção foi elevada,  na capital do país e em outras ilhas, como se deu nas últimas eleições presidenciais, realizadas em 2016.

Até à hora do fecho desta edição do Jornal de Angola, a votação decorria dentro da normalidade. Quer à entrada das assembleias  de votos, quer em várias artérias da cidade, o  ambiente era de completa acalmia, ao contrário do que se registou nos  últimos dias de campanha, marcados por maratonas, com barracas, onde, noite  adentro, os apoiantes dos diferentes candidatos comiam, bebiam e dançavam.

Segundo a Comissão Nacional de Eleições (CNE), estiveram disponíveis, ontem, em todo o território cabo-verdiano, mil e 53 assembleias de voto, para os 398 mil e 865 eleitores registados. Este número não é o inicialmente divulgado. Ontem, a CNE apresentou esta cifra à imprensa, dizendo ser a actualizada. Antes, o número que constava dos dados era um pouco menor.

O caderno eleitoral de Apoio ao Processo Eleitoral (DGAPE) tem inscritos para votar nos 22 círculos eleitorais do país, 342.777 eleitores, enquanto os 16 círculos/países no estrangeiro contam 56.087 eleitores recenseados, num total de 398.864 cabo-verdianos em condição de votar.

O Tribunal Constitucional admitiu as candidaturas a estas eleições de José Maria Pereira Neves, Carlos Veiga, Fernando Rocha Delgado, Gilson Alves, Hélio Sanches, Joaquim Jaime Monteiro e Casimiro de Pina.

Esta foi a primeira vez que Cabo Verde registou sete candidatos oficiais a Presidente da República em eleições directas, depois de até agora o máximo ter sido quatro, em 2001 e 2011.
Portanto, hoje deve ser conhecido o novo Presidente e pode ser confirmada a vitória de José Maria Neves, como as sondagens se fartaram de anunciar. Ou não?  


Votação em Angola correu de forma tranquila


O processo de votação para a eleição do novo Chefe de Estado cabo-verdiano decorreu de forma tranquila no território angolano, de acordo com o presidente da Comissão Nacional Eleitoral de Cabo-Verde em Angola, António Augusto Lima.

Em entrevista ao Jornal de Angola, a seguir à abertura das urnas de voto, na sede da Embaixada de Cabo Verde em Angola, o também ministro plenipotenciário de Cabo Verde em Angola acrescentou que o processo de votação abriu às oito e encerrou às 18 horas.

O responsável disse que em Angola, onde estão, aproximadamente, 22 mil cabo-verdianos, dos quais apenas 3.030 se registaram e tiveram o direito de votar, o processo decorreu de forma calma e tranquila.

De modo a atender à demanda, em Angola, foram abertas 15 mesas de voto, das quais dez em Luanda e uma na província do Cuanza-Sul, no Lobito, em Benguela, no Lubango (Huíla) e em Cabinda.
Em Luanda, as mesas foram abertas na sede da Embaixada de Cabo Verde, para supervisão do processo, na Escola 1º de Maio, no Bairro Operário, na Madeira, em Cacuaco, no Prenda, no Morro Bento, na Mabuia, em Viana e na Ilha do Cabo.


Fiscalização
Zaina Pina, delegada da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Cabo Verde em Angola, afirmou que os trabalhos decorrem sem sobressaltos e disse esperar que vença o melhor candidato.

Assinalou que, nas últimas eleições, votou um terço da população registada e augura que, este ano, a massa votante ultrapasse os indicadores do pleito anterior.

Adelino Sanches, presidente da mesa de voto localizada na Escola 1º de Maio, em Luanda, assegurou que até às 10 horas de ontem, já tinham exercido o seu direito de voto 32 cidadãos cabo-verdianos.
Nelson Pina, representante de José Maria das Neves, candidato apoiado pelo PAICV, mostrou-se calmo e tranquilo e acredita que o antigo Primeiro-Ministro será o próximo Presidente da República de Cabo-Verde.
A mesma crença tem Iveth Cremilda Barros, relativamente ao candidato que representa, Carlos Veigas, também ele antigo Primeiro-Ministro.
O embaixador de Cabo Verde em Angola, Jorge Eduardo Figueiredo, disse ser a primeira vez que o país apresenta sete candidatos para um pleito eleitoral, razão pela qual acredita que a disputa será renhida, embora tenha admitido que a intenção do voto está concentrada em apenas dois candidatos: José Maria das Neves e Carlos Veiga.


Béu Pombal | Cidade da Praia e André Sibi

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Especial