Economia

Produtores do Andulo tomam contacto com PDAC

José Chaves/Andulo

O Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Comercial (PDAC) foi apresentado, sexta-feira, no município do Andulo, província do Bié, em cerimónia presidida pelo representante do projecto.

15/06/2024  Última atualização 11H56
© Fotografia por: DR

Lino Sangumbe disse tratar-se de um projecto iniciado em   2022, cuja execução vai até 2025 e que é custeado pelo Governo, mediante um empréstimo do Banco Mundial e da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

O projecto está destinado às acções de fomento ao investimento na agricultura comercial.

Em declarações ao Jornal de Angola, à margem do acto, o coordenador do PDAC no Bié fez saber que o programa tem como objectivo aumentar a produtividade e melhorar o acesso da produção aos mercados, contemplando as cadeias de valor seleccionadas como prioritárias. Essas cadeias são as do cultivo do milho, feijão, café, mandioca, batata doce e rena, enquanto na pecuária, o foco está na produção de ovos e frango de corte.

Nesta conformidade, entre outros requisitos, os beneficiários devem ser agricultores individuais, produtores organizados em cooperativas ou associações instaladas nas localidades indicadas, possuir mais de 10 hectares e com produção activa.

Devem, igualmente, possuir recursos próprios correspondente a 10 por cento do financiamento, possuir um histórico de dois anos da actividade no agronegócio, número fiscal e desenvolver um negócio que se enquadre nas cadeias de valor prioritárias.

Sublinhou que no caso da província do Bié estão seleccionados todos os nove municípios designadamente, Andulo, Catabola, Camacupa, Cuemba, Cunhinga, Chinguar, Chitembo e Nharêa.

Destacou que os financiamentos obedecem a duas janelas: uma que vai até 250 mil euros para a qual o PDAC comparticipa com 40 por cento do investimento e a outra de 250 mil a 575 mil euros, onde entra com 40 por cento de subsídios para os primeiros 250 mil e de 30 por cento para o valor restante.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia