Economia

Produção supera o esperado em plataforma reactivada

Victorino Joaquim |

Jornalista

A Sonangol revelou ter reactivado uma plataforma do Bloco 3/05 encerrada em 2017 em consequência de um acidente grave, recuperando a produção em 3500 barris de petróleo por dia, acima do previsto para a operação.

19/09/2021  Última atualização 05H25
Recuperação de plafaforma revela mais preparada para reverter interrupões da produção © Fotografia por: DR
O presidente da Comissão Executiva da Unidade de Negócio da Exploração e Produção (UNEP) da Sonangol, Ricardo Van-Deste, afirmou, no programa radiofónico que a companhia difunde no Canal "A” da RNA, que a operação naquela plataforma deu-se a abrigo ao estratégia de revitalização de campos maduros, com a qual a Sonangol projecta elevar a produção operada.

Segundo Ricardo Van-Deste, o Bloco 3/05, com cerca de 3,2 mil milhões de barris de volume inicial e explorado em apenas 40 por cento, é um dos principais activos da UNEP na execução dessa estratégia que consiste na revitalização de campos maduros, aqueles  que, apesar de já estarem em declínio, ainda detêm grande potencial de exploração.

"Isso quer dizer que existe uma quantidade considerável de óleo ainda por recuperar. Portanto, o Bloco 3/05 é uma das peças centrais  da UNEP nesta estratégia de revitalização de campos maduros, visando aumentar a produção”, disse.
Quando a plataforma foi encerrada, tinha uma produção de cerca de cinco mil barris por dia, com a interrupção da operação a causar "perdas financeiras para a empresa”.

No Bloco 3/05, a UNEP deparou-se com a contingência das perdas e a necessidade de recuperação dos campos maduros, o que tornou imperiosa a reactivação da plataforma, bem como a restituição da produção perdida, disse o presidente da Comissão Executiva.

Segundo o PCE, a reactivação da plataforma permitiu à Sonangol atingir um nível de produção acima do previsto.
"A reactivação foi dividida em duas fases, sendo que a primeira, que previa o arranque de dois poços, tinha uma previsão de cerca de 2500 barris de óleo por dia. Hoje, a plataforma está a produzir com um poço cerca de 3500 barris de óleo por dia”, afirmou Ricardo Van-Deste.

O presidente da Comissão Executiva avançou expectativas da conclusão do projecto no final do ano, com a reactivação completa da plataforma, quando se espera um aumento de produção para seis mil barris de petróleo por dia.

Considerando tratar-se de produção de baixo custo de operação. por ser num bloco já operado , os números, segundo Ricardo Van-Deste, vão concorrer para o objectivo de aumento da produção operada pela petrolífera nacional no país.

Ricardo Van-Deste adianta que, para o aproveitamento optimizado daquele activo, existem outras iniciativas em curso, nomeadamente, restauração ou reactivação de poços ou plataformas fechadas, mas que ainda possuem bastante potencial.
De acordo com o gestor, novas perfurações e a recuperação desta plataforma revelam uma UNEP capaz de contornar as interrupções decorrentes da pandemia da Covid-19.

"Os sistemas que nós temos implementado para travar ou diminuir a propagação da pandemia em ‘offshore’ têm funcionado, permitindo que a UNEP, à  semelhança de outras operadoras, aumentasse a produção de forma paulatina em 2021”, declarou o presidente da Comissão Executiva.

Em 2020, notou, as operações petrolíferas foram interrompidas, com realce para a actividade de perfuração ou intervenção de poços, que representa a maior contribuição para o aumento de produção.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia