Mundo

Procuradora-geral de Moçambique denuncia intimidações a magistrados

JA Online

A procuradora-geral de Moçambique, Beatriz Buchili, denunciou, esta segunda-feira, "tentativas de intimidação" a magistrados e investigadores do Ministério Público, que visam desencorajar a investigação e combate ao crime organizado no país.

17/06/2024  Última atualização 14H02
Procuradora-geral de Moçambique denuncia intimidações a magistrados © Fotografia por: Direito Reservado

"Em resultado da nossa actuação, temos estado a registar tentativas de intimidação a magistrados e investigadores de modo a desencorajá-los de perseguir a sua missão", disse Beatriz Buchili, na abertura da reunião dos Gabinetes Centrais de Combate à Corrupção, Criminalidade Organizada e Transnacional e Recuperação de Activos, que decorre até 20 deste mês, em Maputo.

Beatriz Buchili afirmou que os procuradores e demais profissionais envolvidos na investigação e combate aos crimes de terrorismo, tráfico de drogas e branqueamento de capitais, bem como na recuperação de activos nestes processos, estão a sofrer ameaças, destacando que tais actos constituem "uma afronta à administração da Justiça e fragilizam as instituições da Justiça".

"Encorajamos a todos os magistrados e demais colegas a não se deixarem intimidar, a continuarem firmes no cumprimento da sua missão de combate à criminalidade organizada", disse, acrescentando que a Procuradoria-Geral da República não vai permitir que a criminalidade continue a tirar vidas e a delapidar recursos, inviabilizando o desenvolvimento nacional.

Para a procuradora, o combate ao crime organizado só poderá ser efectivo mediante a aplicação de sanções "com penas adequadas", destacando a necessidade dos condenados serem privados dos bens adquiridos ilicitamente, resultando na perda dos mesmos em favor do Estado ou das vítimas.

Segundo avançou a Lusa,  Beatriz Buchili reconheceu ainda que o Ministério Público enfrenta dificuldades em termos de recursos humanos especializados, investigadores e analistas financeiros, assim como insuficiência de meios materiais para o combate efectivo aos diversos tipos de crimes.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo