Mundo

Presidente tunisino rejeita que nova Constituição abra caminho a ditadura

O Presidente da Tunísia, Kais Saied, defendeu hoje o seu polémico projecto de Constituição face a acusações de desvio autoritário, após ter sido desautorizado pelo jurista a quem tinha sido confiada a redacção do documento.

05/07/2022  Última atualização 11H53
© Fotografia por: DR

Sadok Belaid, chefe da comissão encarregada de redigir a nova Constituição,  apresentou o projecto que redigiu no passado dia 20 de Junho, mas o Presidente da Tunísia publicou na quinta-feira uma versão completamente revista, estabelecendo um sistema que concede poderes muito amplos ao chefe de Estado.  

Belaid, respeitado jurista tunisino, disse numa carta aberta publicada pela imprensa no passado domingo que a versão de Saied está longe de ser a que tinha sido elaborada, alertando que o projecto que vai ser submetido a referendo no dia 25 de Julho pode "abrir caminho a um regime ditatorial".

Numa mensagem divulgada hoje pela Presidência da República, Saied defende-se afirmando que o projecto de Constituição publicado reflecte "o que o povo tunisino expressou desde a revolução (de 2011) até 25 de Julho de 2021, quando foi colocado no caminho certo".

Nessa altura e após meses de impasse político, Saied suspendeu o parlamento e demitiu o governo para assumir plenos poderes, abalando a frágil democracia do país onde começaram as revoltas da Primavera Árabe, em 2011.

O chefe de Estado rejeita, assim,  as acusações de que a Constituição proposta abre caminho ao "regresso da tirania".

Kais Saied apelou ainda aos cidadãos para aprovarem o texto no referendo de 25 de Julho, que coincide com o primeiro aniversário do seu golpe.

"Digam 'Sim' para seja evitado o declínio do Estado, para que os objectivos da revolução se concretizem e para acabarmos com a miséria, o terrorismo, a fome, a injustiça e o sofrimento", acrescentou.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo