Política

Presidente da República inspecciona obras de futuros hospitais de referência

Garrido Fragoso

O Chefe de Estado, João Lourenço, visitou, ontem, os hospitais gerais que estão a ser construídos nos municípios de Viana e Cacuaco, em Luanda.

07/05/2022  Última atualização 11H49
O Presidente João Lourenço, acompanhado da ministra da Saúde, visitou, ao detalhe, as obras do Hospital Geral de Cacuaco © Fotografia por: Dombele Bernardo | Edições Novembro

O Presidente da República, acompanhado dos ministros de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, e do chefe da Casa Militar do Presidente da República, Francisco Furtado, bem como de vários membros do Executivo, incluindo autoridades municipais, inspeccionou, ao detalhe, as obras do Hospital Geral de Cacuaco, localizado na Centralidade do Sequele, cuja execução física ronda os 42 por cento.

Do empreiteiro, o Chefe de Estado recebeu a garantia de que as obras da unidade hospitalar de Cacuaco, iniciadas a 15 de Novembro do ano passado, poderão estar concluídas em finais de 2023.

Com capacidade para 300 camas, a unidade contará, entre outros, com serviços de oncologia, quimioterapia, radiologia, diálise, urgências, maternidade, blocos operatórios e uma morgue para 18 cadáveres. A unidade terá ainda serviços de cuidados intensivos para todas as faixas etárias.

O valor global da obra é de 185 milhões de euros, sendo 15 por cento deste financiado pelo Governo angolano e o resto por um consórcio de empresários alemães e austríacos.

O Hospital Geral de Cacuaco está a ser edificado numa área de 27 mil metros quadrados, espaço que também vai albergar um parque de estacionamento para 300 viaturas e edifícios auxiliares, onde deverão funcionar bombas de combustível, morgue, lavandaria, centro de oncologia e área social para atender os utentes.

A estrutura do empreendimento social, com excepção do bloco onde vai funcionar as emergências, é toda de betão, sobretudo, porque o terreno é argiloso. 

 

Concursos públicos na forja

A ministra da Saúde reafirmou, ontem, a promessa do Executivo de admitir nos próximos três anos cerca de 24 mil novos profissionais no sector, com vista ao fortalecimento dos serviços de saúde e garantia da assistência médica diferenciada.

Em declarações à imprensa, no final da visita do Presidente da República, João Lourenço, às obras dos hospitais gerais de Viana e Cacuaco, Sílvia Lutucuta anunciou para este mês a realização de concurso público para oito mil novos profissionais a serem enquadrados nas unidades sanitárias construídas no quadro do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), bem como outras fora do âmbito deste projecto. 

Referiu que, dos 33 mil profissionais admitidos nos dois últimos concursos e nas quotas adicionais, 80 por cento foram colocados nos municípios.

Sílvia Lutucuta indicou que os futuros empreendimentos sociais, ontem, examinados pelo Chefe de Estado vão ajudar a aliviar, "em grande medida”, a  pressão assistencial nos actuais hospitais de referência da província de Luanda, tendo em conta que os municípios de Viana e Cacuaco são os mais populosos.

A governante destacou que, nas duas futuras unidades hospitalares, será dada "atenção especial” aos serviços pediátricos, sem descorar os cuidados primários de saúde: "Vamos continuar a trabalhar na prevenção e na infra-estrutura dos cuidados primários de saúde, bem como melhorar a logística e as admissões”.

Sílvia Lutucuta defendeu a criação de mais unidades hospitalares com serviços diferenciados em todo o país, tendo destacado ainda o facto das duas futuras unidades albergarem serviços de oncologia, para evitar que os cidadãos se desloquem ao centro da cidade de Luanda.

Aos profissionais do sector, a ministra Sílvia Lutucuta pediu mais firmeza no trabalho, prestação de serviços humanizados aos cidadãos e maior adesão aos processos de formação disponíveis.  

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política