Economia

Preços do crude caem depois de recuperação

Os preços do petróleo e os temores em relação ao crescimento económico devido à epidemia do coronavírus voltaram a pressionar os mercados ontem, depois de um dia de relativo alívio, na terça-feira.

12/03/2020  Última atualização 12H30
DR

O barril de Brent perdeu 2,61 por cento, caindo para 36,25 dólares, enquanto o WTI recuou 3,03 por cento, para 33,32 dólares, depois de, na véspera, os preços terem recuperado numa média de 8,00 por cento.
O curso do crude foi in-fluenciado, ontem, pelo corte da previsão da OPEP relativa ao crescimento da procura global por petróleo este ano, num relatório em que o cartel estima um crescimento da procura de 60 mil barris por dia (bpd), quando a previsão anterior era de 990 mil.
Além disso, os Emirados Árabes Unidos juntaram-se à Arábia Saudita na promessa de elevar a produção de petróleo em níveis recordes em Abril, com os planos dos dois países a representarem um aumento equivalente a 3,6 por cento da oferta global.
A epidemia de coronavírus reduziu as expectativas de crescimento económico global e as estimativas de procura mundial pelo petróleo, fazendo recuar o preço da matéria-prima. Empresas passaram a consumir menos energia, as companhias aéreas reduziram as operações e a indústria chinesa enfrenta dificuldades.
Como forma de estabilizar os preços, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), grupo dos maiores produtores, que inclui a Arábia Saudita, propôs uma ampliação dos cortes na produção, posto que, com a redução da oferta, os preços tendem a subir.
A Arábia Saudita condicionou o corte à colaboração da Rússia, um dos maiores produtores mundiais, que não faz parte da OPEP, mas que há três anos é um aliado, sendo parte do que ficou conhecido como OPEP.
Na sexta-feira, a Rússia negou a cortar a produção, pelo que, em resposta, a OPEP re-moveu todos os limites à produção, com o que o curso do Brent sofreu maior queda diária em mais de 11 anos, caindo em 31 por cento, para 30 dólares na segunda-feira. Uma nova negociação da oferta faz antever uma rápida recuperação dos preços.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia